Burle Marx & sua importância para o Itamaraty

  • Cecília Almeida
    Cecília Almeida
    06/08/2021 . min de leitura
Burle Marx e o Itamaraty

Em julho de 2021, o Sítio Roberto Burle Marx foi declarado Patrimônio Mundial da UNESCO. O Comitê do Patrimônio Mundial reconheceu o “valor excepcional universal” do sítio, por seu impacto no desenvolvimento do chamado jardim tropical moderno. 

Considerado um dos principais paisagistas brasileiros, Roberto Burle Marx tem importância especial para o Itamaraty. Nesse post, vamos te contar o porquê e um pouco mais sobre a vida e os projetos de Burle Marx. 

Vamos lá? 

Patrimônio Cultural

O patrimônio cultural é de fundamental importância para a preservação da memória, da identidade e da criatividade dos povos.  

Por isso, em 1972, a Organização das Nações Unidas para a Ciência e a Cultura (UNESCO), adotou a Convenção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, com o objetivo de incentivar a preservação de bens culturais e naturais considerados significativos para a humanidade. 

O Brasil aderiu à convenção em setembro de 1977. Desde então, 23 elementos nacionais brasileiros foram inscritos na lista do Patrimônio Mundial, como a cidade de Ouro Preto, Plano Piloto de Brasília, entre outros 

Quem é Burle Marx? 

Além de paisagista, Roberto Burle Marx (1909-1994) foi também artista plástico, pintor, escultor, ceramista e tapeceiro. É reconhecido nacional e internacionalmente por ter introduzido ao modernismo o uso de plantas nativas brasileiras, criando o chamado paisagismo tropical moderno.

Roberto Burle Marx com camisa social e uma flor
Roberto Burle Marx

Viveu no Rio de Janeiro durante sua infância e, em 1928, mudou-se com a família para Berlim, na Alemanha. Entre 1928 e 1929, frequentou óperas, teatros, museus e galerias de arte e teve contato com a produção das vanguardas europeias, de artistas como Van Gogh, Picasso e Paul Klee. 

Em terras germânicas, percebeu o potencial estético da flora tropical quando visitou o Jardim Botânico de Dahlem.

Jardim Grosses Tropenhaus na Alemanha
Jardim Grosses Tropenhaus

De volta ao Brasil, em 1930, entrou para a Escola Nacional de Belas Artes, dirigida na ocasião pelo arquiteto e urbanista Lúcio Costa. A convite do arquiteto, realizou seu primeiro projeto como paisagista: um jardim privado para a família Schwartz, em Copacabana. 

Entre 1934 e 1937, Burle Marx ocupou o  cargo de Diretor de Parques e Jardins do Departamento de Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco e concretizou projetos paisagísticos para praças de Recife. 

Mas o grande reconhecimento público do paisagista veio em 1936, quando integrou o grupo que projetou o edifício do então Ministério da Educação e Saúde, atual Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro. Naquele momento concretizou-se a percepção de Roberto como criador do jardim tropical moderno. 

Burle Marx enrolado em uma folha enorme e sorrindo

Sítio Burle Marx 

O Sítio Roberto Burle Marx (SRBM) está situado no bairro de Barra de Guaratiba, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro e foi a residência de Burle Marx por 21 anos, entre 1973 e 1994. 

O sítio foi adquirido por Burle Marx e seu irmão, Guilherme Siegfried e chama atenção pela vegetação nativa, formada principalmente por manguezal, restinga e a Mata Atlântica, preservada pelo Parque Estadual da Pedra Branca.

Em 1985, Burle Marx doou o sítio ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), com o objetivo de assegurar a continuidade das pesquisas, a disseminação do conhecimento adquirido e o compartilhamento daquele espaço singular com a sociedade.

Com a morte de Roberto Burle Marx em 1994, o sítio passou a ser gerido pelo IPHAN e foi tombado pelos órgãos do patrimônio cultural do estado do Rio de Janeiro (1988) e da União (2000).

Segundo o IPHAN, o sítio conta com: 

  • 405 mil metros quadrados de área;
  • 3,5 mil espécies de plantas tropicais e subtropicais;
  • Sete edificações e seis lagos; 
  • Acervo museológico com mais de três mil itens. Entre eles temos: coleções de arte moderna, cuzquenha, pré-colombiana, sacra e popular brasileira, de cristais e de conchas, além do mobiliário e dos objetos de uso cotidiano da casa. 

Hoje, cerca de 30 mil pessoas visitam o espaço anualmente. Quer conhecer um pouco mais? Dá uma olhada nesse vídeo, que faz um tour pelo sítio: 

Patrimônio Mundial

O processo de construção de candidatura começou com a inscrição na lista indicativa brasileira a Patrimônio Mundial, em 2015. O dossiê final foi entregue em janeiro de 2019, concentrando-se na defesa do valor do local como laboratório botânico e paisagístico.

No segundo semestre de 2019, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos) realizou uma visita de avaliação no Sítio e produziu o relatório entregue ao Comitê do Patrimônio Mundial das Nações Unidas, que faz a avaliação final.

Em 2021, o Comitê reconheceu o “valor excepcional universal” do sítio, por seu impacto no desenvolvimento do “jardim tropical moderno” por meio da combinação de ideias criativas do movimento modernista com tipologias locais e plantas tropicais. 

A candidatura brasileira foi apreciada durante a 44ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial das Nações Unidos, na cidade de Fuzhou, na China. 

Burle Marx & Itamaraty 

Mas não para por aí! Entre os principais projetos de Burle Marx também está o paisagismo do Palácio Itamaraty!

Inaugurado em 1970, o Palácio Itamaraty foi projetado por Oscar Niemeyer em parceria com o engenheiro Joaquim Cardoso, responsável pelo cálculo estrutural da obra. Mas, diferentemente de outros prédios governamentais, o Palácio do Itamaraty foi projetado em estreita coordenação com a Comissão de Transferência do Ministério das Relações Exteriores do Rio de Janeiro para Brasília.

Essa comissão, chefiada pelo diplomata Wladimir Murtinho, teve uma importância enorme na criação do Palácio Itamaraty, sobretudo na transposição para o plano da arquitetura da riquíssima simbologia histórica e política que o Itamaraty carrega.

O Palácio Itamaraty foi concebido como edifício que serviria ao propósito de apresentar o Brasil aos visitantes estrangeiros e, portanto, foi construído apenas com materiais nacionais e seus salões abrigam obras apenas de artistas nascidos ou naturalizados brasileiros. 

Coube a Murtinho o papel de escalar artistas e escolher obras que organizariam os novos espaços palacianos. Murtinho convidou Roberto Burle Marx para elaborar os projetos de paisagismo para os jardins externos e internos do palácio

Para o Ministério das Relações Exteriores, Burle Marx produziu três jardins, sendo dois deles aquáticos. 

Jardim do MRE com uma estátua no meio
Jardim do Itamaraty

Conforme descreve o livro Palácio Itamaraty – A Arquitetura da Diplomacia, o jardim aquático externo faz da água o elemento plástico preponderante, contrapondo-se às superfícies gramadas da esplanada. Ao mesmo tempo, esta grande área molhada opera como um grande espelho d’água que isola a forma do edifício com uma distância tal que o palácio parece flutuar sobre seus domínios. 

Fachada do Palácio do Itamaraty em um dia de sol e tempo aberto

Além dos jardins, Burle Marx desenhou uma tapeçaria para a Sala Brasília, que se integra ao conjunto de grandes obras de arte. A peça é importante plasticamente, mas também contribui para conter a reverberação sonora dos eventos que ali ocorrem.  

Sala Brasília com grandes mesas e uma parede com pinturas

Achou que era só isso? Que nada! Em novembro de 1968, a Rainha da Inglaterra, Elizabeth II, fez uma visita ao Palácio. Adivinha quem fez a decoração da recepção? Ele mesmo: Burle Marx! A decoração foi feita com frutos do cerrado. 

Visitas 

Já deu para perceber a importância que Burle Marx teve no paisagismo brasileiro e na construção da simbologia diplomática que o Itamaraty tem. Quem sabe, depois da pandemia você não faz uma visita ao Sítio Roberto Burle Marx ou ao Itamaraty

Gostou do conteúdo? Confira esse com as semelhanças e traços que unem os Palácios do Itamaraty e o Mondadori, em Milão.


  • Cecília Almeida
    Cecília Almeida

    Cecília é estudante de Relações Econômicas Internacionais e atua no time de Conteúdo do Clipping!


Cecília Almeida
Cecília Almeida

Cecília é estudante de Relações Econômicas Internacionais e atua no time de Conteúdo do Clipping!