Como começar a estudar para o CACD

  • Clipping
    24/04/2019 . 13 min de leitura
como comecar estudar cacd clipping

Este é um artigo sobre como começar a estudar para o CACD, indicado para candidatos iniciantes. No entanto, não é uma leitura indicada para quem ainda não se decidiu se investirá tempo, energia e recursos na preparação para o CACD. O Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) é considerado um dos concursos públicos mais complexos e difíceis do Brasil. Portanto, para evitar desgastes desnecessários, é preciso se conhecer e conhecer qual é o lugar da carreira diplomática na sua vida antes de começar os estudos para o CACD.

Caso ainda não tenha essa certeza, vale a pena “pausar” a leitura deste post e dar uma olhada nesses posts aqui sobre o concurso e a carreira:

Caso já tenha certeza de que a carreira diplomática é o que quer e que, em algum momento, você iniciará seus estudos, sinta-se livre para seguir em frente na leitura deste artigo, que dividimos para ficar assim:

Vamos aos tópicos. 👀👇

1. Saber por quais matérias começar a estudar para o CACD

O programa do CACD é extenso em termos de disciplinas cobradas. Ao todo, temos no Edital 10 disciplinas: História do Brasil; História Mundial; Noções de Economia; Política Internacional; Geografia; Noções de Direito Interno e DIP; Língua Portuguesa; Língua Inglesa; Língua Francesa; Língua Espanhola.

Ah Clipping, já sei quais disciplinas caem no CACD, agora preciso me preparar para estudar todas elas de uma vez só certo?

Não recomendamos que o candidato iniciante comece os estudos para o CACD abordando todas essas disciplinas de uma vez.

Equilibrar essas matérias no cronograma de uma só vez é possível?

É possível… No entanto, essa não é a forma mais produtiva para se iniciar os estudos.

Há uma sequência lógica de disciplinas que deve ser, preferencialmente, seguida quando se começa a estudar para o CACD.

Abaixo deixamos essa ordem de disciplinas sugeridas, mas antes explicamos o motivo dessa recomendação…

1.1 Por que começar a estudar algumas disciplinas antes de outras?

O conteúdo do CACD é extenso e não é raro um mesmo tema ser cobrado sob a ótica de diferentes disciplinas, o que torna muito produtivo inter-relacionar temas para uma abordagem mais estratégica do conteúdo.

Um exemplo para ficar mais claro o porquê:

Na semana 04 do programa de Geografia do Clipping, é previsto o seguinte objetivo:

Espera-se que o candidato compreenda a evolução da atividade industrial e como sua estruturação afeta a organização do espaço. Destaque deve ser dado ao conceito de divisão internacional do trabalho clássico e o conceito de divisão internacional do trabalho contemporâneo. Bastante importante, também, é a compreensão do fenômeno do reordenamento territorial pós-fordista e suas consequências.

Veja que a semana 04 de Geografia aborda uma série de conceitos que podem ser mais compreendidos com um domínio prévio do contexto e de conceitos aprendidos durante o estudo das semanas 14 a 16 do programa de História Mundial.

Por exemplo, “fordismo” está relacionado às reacomodações estratégicas pelas quais o mundo passou após o fim da Segunda Guerra Mundial. Já “pós-fordismo” e “divisão internacional do trabalho contemporâneo” são conceitos geográficos relacionados ao contexto histórico pelo qual o mundo passou com  a crise do petróleo em 1973.

Na semana 08 de Geografia, o fenômeno de expansão territorial deve ser estudado desde o século XVII até o processo de integração do território no século XX. Esse é um dos tópicos mais cobrados em provas discursivas.

Vejamos uma questão discursiva do último CACD 👀👇

Vejamos agora um modelo de resposta tirado do Guia de Estudos CACD 2017 👀👇

modelo-de-resposta-cacd-2017-guia-de-estudos

As intersecções entre História do Brasil são bem evidentes, com se vê acima…

Resumindo: boa parte do conteúdo de Geografia está relacionado ao conteúdo que se vê em História Mundial ou História do Brasil.

Ah Clipping, então, se eu não estudar História antes de estudar Geografia, não compreenderei a matéria e não conseguirei fazer uma resposta dessas?

Não é isso… Você compreenderá sim. Mas é provável que se tivesse estudado todo o conteúdo de História Mundial você aproveitaria de forma mais estratégica o conteúdo de Geografia.

Se o CACDista a usar a seu favor no momento de planejamento de estudos e de execução do planejamento de estudos, essa inter-relação de conceitos entre disciplinas pode ser extremamente benéfica.

É importante ressaltar que essa inter-relação entre Geografia e História (Mundial e do Brasil) exemplificada acima também ocorre com várias outras disciplinas como: Economia, Política Internacional, Direito, etc.

Disciplinas como História Mundial e História do Brasil são responsáveis por formar uma base contextual prévia extremamente útil para o estudo de várias outras matérias.

Por essa razão, é estratégico ter estudado essas matérias antes de avançar para outras.

O aprendizado ocorre em camadas.

Avanços recentes na neurociência confirmam que a ordem com que se estuda matérias tem um papel central na retenção do conhecimento. Nós construímos conhecimento relacionando o que estudamos a uma base de conhecimento que já temos. Esse processo de organizar mentalmente o conhecimento novo, inter-relacionando-o a conhecimentos que já se tem, cria conexões que favorecem de forma expressiva a memorização e a facilidade de aceder esses conteúdos na memória de longo prazo.

Uma ciência do aprendizado?

Recentemente, avanços nos campos da neurociência tem contribuído para descobertas fundamentais sobre questões referentes à produtividade e técnicas de estudo. Essas descobertas têm despertado a atenção de alunos imersos em experiências de aprendizado de conteúdos complexos, como é o caso do estudo para provas de residência médica ou em cursos de universidades de ponta, como Harvard e Yale. O termo Science of Learning vem surgindo como um campo do conhecimento voltado a estudos sobre como o processo de aprendizado pode ser otimizado de forma prática.

*Na aula 9 do Curso Extensivo de História do Brasil, a convite do Prof. João Daniel, o Professor Bruno Rabin, ofereceu uma discussão objetiva e de cunho prático sobre técnicas de estudo baseadas em obras como Make it Stick: the Science of Successful Learning e How We Learn: When, Where and Why, a que ele teve acesso como aluno Harvard.

No tópico abaixo, deixamos uma recomendação sobre a ordem do estudo das matérias no CACD. 💡

1.2 Sugestão de divisão de matérias em 2 sprints semestrais

Embora não seja possível alinhar o estudo de História Mundial e História do Brasil de forma cronologicamente perfeita, sem que “uma matéria passe na frente da outra cronologicamente” é possível, sim, ter ganhos de eficiência estudando o programa de forma mais ordenada e menos aleatória.

No Clipping, indicamos aos que começam seus estudos para o CACD que  dividam as matérias em 2 sprints semestrais, com duração de cerca de 20 semanas. Dessa forma, deve o candidato iniciante ter visto todo o programa de um grupo de matérias antes de passar para outro grupo de matérias.

Com base no que vimos acima no tópico anterior, recomendamos, para ganho de eficiência nos estudos, a seguinte distribuição.

Sprint semestre 1:

  • História Mundial (20 semanas);
  • História do Brasil (19 semanas);
  • Economia (26 semanas);
  • Política Internacional I (20 semanas);

Sprint semestre 2:

  • Geografia (20 semanas);
  • Política Internacional II (20 semanas);
  • Noções de Direito Interno (20 semanas);
  • Noções de Direito Internacional (20 semanas);

Ah, Clipping, mas essas divisões levam em conta quais critérios?

É importante ressaltar que, além da questão da sequência lógica do conteúdo, essa divisão das matérias acima leva em conta outros aspectos, como a carga de leitura recomendada para cada disciplina.

História do Brasil e História Mundial são disciplinas que demandam um volume grande de páginas a serem lidas por semana. Por outro lado, na disciplina Economia menos páginas são demandadas (além do fato de boa parte das leituras conterem gráficos e ter um texto mais “enxuto”).

Por essa razão, ao estudar o conteúdo de História do Brasil e de História Mundial no sprint semestral 1  junto a Economia, o candidato garante também que estará “dosando” a carga de leitura para não pesar além da conta.

Atenção: a separação das matérias em sprints não dispensa a necessidade de revisão espaçada e constante do conteúdo visto. (veremos isso em outro momento ao falar em “Revisão”) 🧠

2. Selecionando as obras para começar a estudar para o CACD

Clipping, agora, então, é partir para pegar aquela lista de livros e começar a estudar para o CACD de verdade, certo?

Não, é bem assim.

Agora que você já tem uma boa noção de como será seu cronograma ao longo do ano é preciso, sim, falar e bibliografia usada para começar a estudar para o CACD.

Esse ponto explicamos em muitos detalhes neste post clássico sobre a Bibliografia CACD.

3. O papel das atualidades no início dos estudos

Outra verdade incômoda: não existe candidato desatualizado no CACD.

Boa parte do que você se deparará na prova não está em livros, mas em determinadas notícias. Essa é uma das verdades mais subestimadas pelos candidatos iniciantes.

Um exemplo recente tirado da última prova do CACD:

 

Essa questão acima é um caso clássico de “questões que não estão no livro, mas 100% em notícias”. E é justamente nesse tipo de questão que a maioria dos candidatos tropeça…

Clipping, mas que questão mais decoreba essa que o CESPE formulou, não?!  

Não!

É claro que se você tem o hábito de ler só o que é breaking news, pode ter tido uma dificuldade adicional nessa. Embora a questão acima não possa ser considerada exatamente fácil, o conteúdo para responder com segurança saiu, ressaiu e tressaiu diversas vezes em diferentes momentos no Clipping.

politica-internacional-cacd-caiu-no-cacd-saiu-no-clippingAprofundando no exemplo acima:

Lendo uma ou duas notícias sobre Brexit você fixará pouco mais do que o “core factual“: “O Reino Unido está em processo de deixar a União Europeia”. No entanto, acompanhando o desenrolar dos fatos diariamente e de forma sistematizada, você fixará, além do básico, boa parte do “quadro referencial”. Ou seja, você fixará uma séria de informações incidentais sobre o tema que irão se sobrepor em camadas ao longo dos dias (ex: Escócia e Irlanda do Norte são parte do Reino Unido, Cameron é do partido Conservador, etc).

A constância nas leituras dos clippings cumpre um papel fundamental para criar uma rede de conteúdos que seja robusta e abrangente o bastante para prover segurança para se marcar C ou E em determinado item.

depoimento como banner

O acompanhamento diário do clipping é uma atividade que leva certo tempo e nem sempre é uma atividade agradável. Por outro lado, comparando o tempo empregado nesse estudo e o retorno, trata-se de um dos maiores custo-benefício. É preciso ressaltar que atualidades são cobradas não somente na prova de Política Internacional, mas também nas provas objetivas e discursivas de Economia, Direito, Geografia, etc.

A primeira coisa na qual o clipping foi útil para mim foi a compilação de notícias que eu colocaria como a ferramenta mais útil e mais usada. Basicamente é uma economia de tempo, ao invés de ter que se atualizar buscando em diferentes sites e na internet você recebe uma compilação de notícias que é muito bom para economizar tempo. Realmente muito útil – Francisco Santos, aprovado em 1º lugar no CACD 2018 [ver depoimento completo…].

Nesses últimos 3 anos de preparação, eu realizava uma consulta praticamente diária às atualidades selecionadas pelo Clipping –  Angelo Paulo, aprovado em 2º lugar no CACD 2018

Não importa se o seu plano é fazer o CACD ano que vem ou em 2025. Não importa se você está estudando a full capacity para o CACD deste, ou se ainda está só na fase de cogitar a iniciar os estudos.

O estudo diário de atualidades é um requisito para qualquer candidato em qualquer nível de preparação.

Uma vez que o candidato decide que em algum momento de sua vida se lançará aos estudos rumo à carreira de diplomata, ele já deve inserir em sua rotina o acompanhamento sistemático de atualidades pré-selecionadas para o CACD desde já…

Clipping, agora entendi que é recomendável dividir as matérias em 2 sprints semestrais, que preciso ter a bibliografia mais indicada para os estudos e ler diariamente o clipping de notícias… Mas e as línguas, como faço para estudar?

4. Começando o estudo de línguas para o CACD

Em um artigo como este, que visa dar coordenadas para o estudo dos candidatos iniciantes, é preciso falar algumas palavras sobre a preparação de línguas para o CACD.

Antes de tudo, é preciso dizer uma verdade incômoda:

Não existe candidato ao CACD monoglota.👅

Não perca seu tempo estudando para o CACD se não estiver disposto a encarar Inglês, Francês e Espanhol. Se você assumiu o desafio de se preparar para a carreira diplomática e está reticente quanto ao fato de que terá que encarar o estudo de línguas estrangeiras, em algum momento você terá que repensar se a carreira diplomática é mesmo para você.

Ah Clipping, mas eu não sou fluente em Inglês, muito menos em Francês e em Espanhol. Nunca fiz aula…

Então, 99,9% dos candidatos têm essa mesma insegurança que você. As línguas estrangeiras são como pedras no seu sapato e no sapato de todos os demais candidatos. Essa dificuldade é empiricamente verificável na distribuição de notas do último CACD.

Vejamos:

A média nas provas de Inglês, Francês e Espanhol são as mais baixas e isso não é por acaso.

No caso do candidato ser iniciante (ou zerado em Francês, Espanhol ou Inglês), há sem dúvidas o desafio psicológico de vencer a barreira da inércia e se lançar aos estudos dessas línguas. Quebrar essa barreira da inércia é o primeiro passo para iniciar o estudo de línguas para o CACD. 🚧🔨

Falaremos em detalhes sobre isso na próxima semana em um post específico sobre como começar a estudar línguas para o CACD. Se estiver com alguma dúvida sobre isso, vale mandar aqui nos comentários.

5. Um ponto de partida…

Existem as chamadas melhores práticas para se preparar para o CACD. Mas é importante saber que não há solução one-size-fits-all.

Esse é um dos pontos mais dolorosos para os candidatos iniciantes. Seria extremamente cômodo dizer: Basta fazer assim, assado e pronto. Infelizmente (ou felizmente) é preciso reconhecer que é responsabilidade do candidato traçar seu próprio caminho e construir sua própria maneira de estudar para o CACD.

O começo dos estudos para o CACD é sobretudo um momento de autoconhecimento, de testes, de erros e de acertos.  Haverá “passos fora da cadência”, “correções de rumos” e nem tudo sairá como planejado nesse início…

crianca filme chorando cacd

Sair do paradoxo de inércia em face a tanto conteúdo para estudar é o primeiro passo que precisa ser dado.

Acreditamos que  não só possível como necessário que cada candidato conquiste independência e autonomia em seus estudos para o CACD. Esse sempre foi um dos pilares do Clipping.

Não é preciso gastar fortunas nem se comprometer com cronogramas pouco factíveis. Com alguma disposição e um direcionamento, é possível começar: agora!

banner clipping cacd sobre o que tem no clipping


  • Clipping

    Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.



Clipping

Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.