Como era o CACD há 10 anos? #10yearschallenge

  • Ana Clara Carvalho
    Ana Clara Carvalho
    17/01/2019 . 7 min de leitura
cacd

Amigos do Clipping, resolvemos entrar na brincadeira da hashtag #10yearschallenge. Vamos mostrar tudo o que mudou no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática (CACD), comparando o edital de 2009 com o último edital publicado em 2018. Vamos lá que é muita mudança reunida.

No conteúdo de hoje você verá a comparação entre:

  1. Número de vagas
  2. Local de realização das provas
  3. Número de fases do concurso
  4. Cobrança de línguas estrangeiras
  5. Provas de Espanhol e Francês
  6. Formatação da prova objetiva
  7. Datas das provas
  8. Guia de Estudos

1. Número de vagas

Vamos começar por uma das mudanças mais significativas do concurso: o número de vagas abertas.

Em 2009 foram abertas 105 vagas, sendo 6 para candidatos com deficiência, já em 2018 foram apenas 26 vagas no total, sendo 19 para ampla concorrência, 5 para candidatos negros e 2 para candidatos com deficiência.

Se formos comparar, apenas as vagas destinadas para a ampla concorrência, são 80 vagas a menos!

2. Local de realização da prova

Uma conquista do CACD ao longo dos anos foi justamente a ampliação dos locais de realização das provas.

Imagine que em 2009 apenas 18 cidades realizavam as fases do concurso. Confira no mapa abaixo:

No edital de 2018 ficou muito mais abrangente, já que a prova da primeira fase agora é realizada nas capitais dos 26 Estados da Federação e no Distrito Federal.

Por fim, na Segunda e na Terceira Fases, as provas só são realizadas nas capitais em que houver candidatos aprovados na primeira fase.

Porém, vale ressaltar que a perícia médica é realizada apenas na cidade de Brasília, no Distrito Federal.

Então, nos últimos anos, mais 9 cidades brasileiras foram inseridas nos locais de realização de provas do CACD.

3. Mudanças na estrutura do concurso

A organização das provas do CACD também se alterou bastante e isso ocorreu não somente pelo número de fases, mas também pelos formatos das provas.

Vejam as diferenças abaixo.

3.1. Variação do número de fases

Em 2009 existiam 4 fases, sendo organizadas assim:

  • Primeira Fase: Prova Objetiva, de caráter eliminatório, constituída de questões objetivas de Português, de História do Brasil, de História Mundial, de Geografia, de Política Internacional, de Inglês, de Noções de Economia e de Noções de Direito e Direito Internacional Público
  • Segunda Fase: Prova escrita de Português, de caráter eliminatório e classificatório;
  • Terceira Fase: Provas escritas de História do Brasil, de Geografia, de Política Internacional, de Inglês, de Noções de Economia e de Noções de Direito e Direito Internacional Público;
  • Quarta Fase: Provas escritas, de caráter exclusivamente classificatório, de Espanhol e de Francês.

Atualmente, o concurso possui 3 fases e as divisões acontecem da seguinte forma:

  • Primeira Fase: Prova objetiva, constituída de questões do tipo Certo ou Errado de Língua Portuguesa, Língua Inglesa, História do Brasil, História Mundial, Política Internacional, Geografia, Noções de Economia e Noções de Direito e Direito Internacional Público, de caráter eliminatório, que habilitará os candidatos a se submeterem às fases seguintes;
  • Segunda Fase: prova escrita de Língua Portuguesa e de Língua Inglesa, de caráter eliminatório e classificatório;
  • Terceira Fase: provas escritas de História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Noções de Economia, Noções de Direito e Direito Internacional Público, Língua Espanhola e Língua Francesa, de caráter eliminatório e classificatório.

Contamos em detalhes como funcionam cada uma das fases no vídeo abaixo, vale a pena dar uma olhada:

3.2. Análise do aumento da cobrança das línguas estrangeiras no concurso

É possível observar que a aumentou a exigência das línguas estrangeiras de 2009 para 2018.

Se analisarmos a Língua Inglesa, por exemplo, ela continua sendo cobrado tanto em provas objetivas quanto em provas escritas. Porém foi possível notar um destaque maior quando o Inglês saiu da Terceira Fase, de 2009, junto de outras matérias, e passou a compor Segunda Fase,  junto a Português, em 2018.

Se observarmos também os critérios de desempate de 2009 em relação aos de 2018, notamos a presença de uma novo critério de desempate pautada justamente em quem obtiver a maior nota na prova escrita de Inglês da Segunda Fase.

Esse critério de desempate era inexistente em 2009. Além disso, em 2009, as provas de Francês e Espanhol não entravam nos critérios de desempate… Essas provas de línguas foram adicionadas aos critérios de desempate no Edital do CACD de 2018, já que, quem obtiver o maior resultado na soma das notas das provas da Terceira Fase (que incluem também Francês e Espanhol), entram no quinto lugar de sete critérios de desempate.

3.3. Mudanças nas provas de Francês e Espanhol

As provas de Francês e Espanhol em 2009 eram de interpretação de texto e possuíam 10 questões com 5 linhas cada para resposta, como a do exemplo abaixo:

prova de espanhol 2009

Atualmente, as provas de Espanhol e Francês são bem diferentes.

As provas de Francês e Espanhol são compostas apenas dois exercícios: um resumo de um texto em língua estrangeira e uma  versão do texto em língua portuguesa para a língua estrangeira.

Exemplo:

proa de frances cacd 2018 prova de espanhol cacd 2018

3.4. Formatação diferente da prova objetiva

Aposto que você já deve ter ouvido falar que antes do Certo e Errado as provas da banca Cespe para o CACD eram de múltipla escolha, certo?

Acredite se quiser, em 2009, as questões da prova eram “misturadas”, isso significa que dentro de uma mesma matéria na prova objetiva poderiam existir questões de múltipla escolha (a, b, c, d, e) e de Certo e Errado.

Vejam o exemplo abaixo de uma das páginas da prova de 2009.

prova objetiva cacd 2009

4. Datas das provas

Acredite se quiser, mas no mês de janeiro de 2009 ocorreu a contagem regressiva para a prova de Primeira Fase, que aconteceu no dia 20 de fevereiro, enquanto a do ano passado foi só no dia 26 de agosto.

Vale ressaltar também a distância até o início das provas a partir da publicação do edital. Em 2009 o edital foi publicado no dia 19 de janeiro e as primeiras provas aconteceram 33 dias depois. Enquanto em 2018, a partir da publicação no dia 26 de junho, os candidatos tiveram dois meses, 29 dias a mais de preparação.

Já o período de inscrição que em 2009 foi de 22 dias enquanto em 2018 foram apenas de 14 dias, menos 8 dias.

Além disso, enquanto o resultado do concurso de 2009 sairia no dia 23 de julho, o de 2018 saiu no 14 de dezembro, o que garantiu mais agilidade ao andamento total do concurso. Se contarmos ao todo, eram 154 dias de concurso em 2009 (desde o dia da prova objetiva até o resultado final), enquanto tiveram 111 dias em 2018.

Com certeza a definição de 3 fases e apenas 2 possibilidades de recurso garantiram um concurso menos extenso, visto que em 2009 eram 4 fases e 4 possibilidades de recurso (uma em cada fase).

5. Cadê o Guia de Estudos?

Por fim, algo interessante de se ressaltar sobre uma das principais mudanças do concurso ao longo dos anos é sobre o Guia de Estudos.

Em 2009 era disponibilizado pela Funag um material que compilava as melhores respostas dos aprovados nas provas discursivas e também algumas indicações bibliográficas. Vale a pena dar uma olhada em como era o Guia de Estudos de 2009 aqui.

 

Atualmente, são os próprios candidatos que publicam esses guias informais com as melhores respostas na prova discursiva.

A lista dos Guias de Estudo do CACD você encontra aqui.

Mande nos comentários o que você acha dessas mudanças e quais são as mais impactantes para você!

Até mais!


  • Ana Clara Carvalho
    Ana Clara Carvalho

    Ana Clara é formada em jornalismo e trabalha na equipe de Marketing do Clipping. Aposto que você já assistiu algum vídeo com ela por aqui, certo? 😄


Ana Clara Carvalho
Ana Clara Carvalho

Ana Clara é formada em jornalismo e trabalha na equipe de Marketing do Clipping. Aposto que você já assistiu algum vídeo com ela por aqui, certo? 😄

Mais Ferramentas
Conteúdo