Como organizar seu caderno e anotações para o CACD: 7 dicas valiosas!

  • Clipping
    18/07/2018 . 14 min de leitura
como organizar seu caderno estudos cacd

Amigos do Clipping! Manter as anotações em dia e um caderno organizado pode parecer um bicho de 7 cabeças, principalmente quando vocês já acumularam muito material.  Quando o assunto é a reta final do CACD, é preciso ter ainda mais cuidado com a organização para conseguir fazer revisões muito mais produtivas. Por isso, resolvemos reunir dicas de como organizar caderno com um cacdista que conhece bem a melhor forma para fazer a reelaboração de conteúdos.

O advogado e professor Murilo Simões Cavalcante já conseguiu otimizar seu caderno de estudos de uma forma mais hierarquizada. Isso o ajudou e muito a melhorar as suas notas tanto na primeira fase quanto nas etapas finais do concurso. ❤️

Por isso, ele explicou como consegue fazer com que os seus cadernos fiquem muito mais organizados, tenham todos os conteúdos e, o melhor, gastando muito menos espaço. Ficaram curiosos? Vamos lá!

Dicas de reelaboração de conteúdos para organizar caderno

*por Murilo Simões Cavalcante​

Um parêntese importante. Para aqueles que pensam: “eu comecei a estudar agora, esse post não é para mim”.

Esse post é direcionado não apenas para aqueles que sofreram com diversos materiais acumulados, como também para quem está começando agora. Começar a estudar, já com um norte para organizar caderno e o seu material, pode te poupar MUITO tempo de estudo mesmo. Algo que muitos de nós não tivemos a oportunidade quando começaram.

1. Quantidade é diferente de qualidade

Ainda que haja exceções, a maior parte das pessoas que topam o desafio de estudar para o CACD, ao menos inicialmente, não tem dimensão do tamanho do material que será acumulado durante sua preparação. No meu caso, não foi diferente. Comecei a estudar com o único objetivo de “ver as matérias do último edital”. Para isso, procurava ler a bibliografia básica de cada matéria, assistia a vídeo-aulas de cursos regulares que me recomendaram e fazia cursos de exercícios. Assim como a maioria dos senhores.

Acontece que, após 1 ou 2 anos de preparação, percebi que eu tinha um universo de material e de anotações que, quando chegava às vésperas do TPS, dificilmente eu conseguia minimamente passar o olho na metade. Isso dificultava a revisão do conteúdo e dava a impressão de que, por mais que eu estudasse, dificilmente eu conseguiria avançar. Foi aí que decidi organizar meu material de estudo. Comecei por História, que, claro, é a minha matéria preferida do CACD.

2. Tenha um material mais focado

 

Organizar caderno tinha um único objetivo: ter, em um único lugar, todas as informações que estudei sobre aquele tópico. Isso garantiria que nada que eu tivesse lido passaria batido na revisão e evitaria a leitura de muitos materiais repetidos.

Como já tinha alguns anos de concurso nas costas, não foi fácil. Só o processo de reunir esse material foi bastante laborioso. Quando terminava algum assunto, eu identificava, de pronto, várias anotações repetidas e lacunas no próprio edital.

Muitas vezes, só de cortar essas repetições de anotações, o material era reduzido em um terço. O que me mostrou que todo aquele esforço de reorganização valeria a pena.

Só que não bastava ter todo o conteúdo em um único arquivo. A fim de ganhar tempo, era preciso que o material tivesse um começo, um meio e um fim, que fizesse sentido. Quase como se você pudesse “escutar” a aula novamente, apenas lendo seu caderno, sem perder tempo com textos muito longos.

3. Organizar caderno facilita a fixação da matéria

A reorganização do material é importante não só para identificar as lacunas na preparação, como também para manter os cadernos sempre atualizados.

Dificilmente você “terminará um caderno” e não voltará a editá-lo. Você sempre fará novos cursos, aprofundará mais o conteúdo. Ou, no caso de atualidades, Política Internacional, Geografia e até Economia, você constantemente precisará acrescentar informações nos cadernos.

É óbvio que sempre há a opções de pegar a informação interessante e jogar “no final daquele caderno”. Contudo, com isso você deixa de fixar a informação, já que é mais difícil articulá-la com o resto do seu conteúdo já acumulado para uma eventual resposta de terceira fase.

4. Hierarquizar conteúdos: uma prática que você deveria começar a fazer

Diante desse impasse, bolei um método de “hierarquizar” as informações que eu estava “reorganizando nos cadernos”. Isso fez a total diferença nessa condensação de materiais.

Quando você passa a aplicar um método próprio de reorganização de conteúdos, você precisa pensar e repensar em cima do material que você tem. Não é só reproduzir aquilo que viu em uma aula, mas entender como tudo aquilo que você estudou tem relação e como os assuntos se relacionam entre si.

É simplesmente uma nova forma de estudar e, para aqueles que estão na jornada há mais tempo, pode dar um novo gás nos estudos. 🎉

Vou mostrar como exemplo um “sumário” do meu caderno do Barão. Inicialmente, quero que notem que tudo que tenho de política externa do período do Barão está em 11 páginas.

Técnicas para condensar informações aplicadas nos cadernos

Quando comecei a separar o material acumulado nessa matéria, o caderno chegou a quase 100, rs.

Muita, muita coisa que anotamos é repetida, mas, na reorganização, até isso é bom para você identificar o que é mais importante e o que você não pode negligenciar.

Além disso, apliquei diversas técnicas para condensar informações. Com elas, não só eu diminuía o tamanho dos cadernos, como também elas serviam de mnemônicos na hora de revisar.

Como ter um sumário organizado me ajudou na prova do CACD

Esse “sumário” do meu caderno do Barão me poupou tempo na prova de HB de 3ª fase em 2016. Principalmente naquela questão que pedia para, simplesmente, falar sobre a política externa brasileira durante a Primeira República.

Na questão da prova, era pedido para enfocar em três coisas basicamente. Sendo elas as relações bilaterais com os EUA, questões de fronteira e enlaces multilaterais. Essa estrutura da foto eu já tinha no meu caderno ANTES da prova. Então, percebam como ficou mais fácil lembrar os principais aspectos factuais, e que valem tantos pontos na prova de 3ª fase de HB.

5. Organização em tópicos é fundamental para otimizar revisões

O outro exemplo que quero mostrar para vocês já é de um caderno de História do Brasil. Ele dialogava diretamente com a questão 03 da prova de HB sobre as leis abolicionistas. Vou aproveitá-lo também para falar mais sobre a hierarquização em si dos cadernos.

Como podem ver, as informações desse caderno não estão em formato de textos longos, mas, sim, em tópicos. Além disso, seguem uma hierarquia seja de espaçamentos, seja de cores.

Com isso, consegui revisar todos os cadernos de HB depois do TPS. O que contribuiu para eu reter um maior número de informações já aprendidas.

Na questão que os professores de História constataram que foi a que a correção foi mais pesada naquele ano, consegui tirar 20/20. Justamente porque já tinha um caminho a seguir. Falei, por certo, mais da Lei Eusébio de Queiroz, porque tinha mais informações. Falei pouco da lei do Sexagenário. Como podem ver, tinha pouquíssima informação sobre. Mas isso não impediu atingir a pontuação máxima.

Conseguiu lembrar da estrutura em “verde”, “laranja” e “roxo” na hora da prova, no raciocínio que tive de montar para elaborar o caderno, o que me fez ganhar muito tempo em uma prova longa como a de 3ª fase de HB.

6. Organize seu caderno de forma lógica e escreva com as suas próprias palavras

O mais importante de você reelaborar os cadernos e seguir um método de hierarquizar as informações é você desligar completamente dos “materiais originais”. Se esquecer também da lógica de organização das informações nos textos fonte, fossem orais/aulas ou escritos/textos/quadros.

Você cria sua própria lógica. Você REELABORA os conteúdos, o que facilita você lembrar o que você escreveu.

Aqueles conteúdos passam a ser seus. Rola um empoderamento 💪 que permite não só você ter mais confiança na matéria. Assim, começa a identificar suas lacunas e saber onde “encontrar” as informações na sua cabeça (e nos cadernos). Com o tempo, fica até difícil de saber se aquela informação foi de uma aula A ou B, mas isso realmente não importa na hora da prova.

Além de diversas leituras, tive aula de História para o CACD com cinco professores diferentes. De alguma forma, todos contribuíram para o produto final, para o caderno que tenho hoje nessa matéria.

  • É algo trabalhoso? Sim!
  • Você precisa de um cronograma para organizar? Sim! Mas super vale a pena. 👍

Em 2016, primeiro ano que tinha terminado de reelaborar meus cadernos de HB, HM e PEB, consegui tirar 96/100 na terceira fase de História. Assim, percebam que você não sente a diferença de ter um caderno reelaborado/reorganizado só na véspera do TPS.

Essa organização é muito valiosa no período entre TPS e 3ª fase (que, em tempos de curto período entre as fases, conseguir revisar rápido se torna cada vez mais estratégico) e também durante a prova em si.

Além disso, você sente a diferença no seu estudo do dia a dia também!

Como acrescentar novas informações também pode te ajudar a revisar as matérias

Você ganha tempo ao assistir aulas já com seu caderno reelaborado. Não só você deixa de copiar informações novamente, como consegue completar ao máximo as informações que ainda estão ausentes.

No caso de acrescentar novas informações, o fato de ter de entender onde a informação “se encaixa”, você acaba revisando novamente a matéria. O que realmente muda bastante a forma de você estudar de todas as matérias, com exceção de línguas.

Como podem ver pelos exemplos, para a aplicação do método de reelaboração de informações não são necessários recursos avançados de informática. Sempre digo aos alunos que é algo bem possível para qualquer um, uma vez que meus conhecimentos nessa área também são limitados.

Deixe a informação visualmente fácil de entender

Na hierarquização, procuro destacar a importância de macetes, técnicas que evitam longos textos e trazem um “dinamismo” para a sua reelaboração! Até porque quanto menos coisa para revisar, com a garantia da qualidade de tudo que você já estudou, melhor, né?

Claro que cada um pode (e deve) achar algo que faça sentido para você e seguir. Já para aqueles que precisam de uma inspiração, a aplicação do método que criei para organizar as anotações, como falei, em tópicos, seguindo uma hierarquização, pode ajudar alguns dos senhores. Como podem ver nos exemplos expostos nesse post.

Percebam como o caderno reelaborado fica mais visual e fácil de identificar informações do que “um texto corrido”. Cada matéria tem sua especificidade, mas, no caso de história, temos a vantagem de poder trabalhar com a cronologia história ao nosso favor, o que já dá um norte para a reorganização.

7. Como reoganizar informações de Atualidades para o CACD

Para variar um pouco (desapegar de História), quero mostrar para vocês como a questão das atualidades é pertinente para a reelaboração. Eu lia notícias com frequência, mas, verdade seja dita, tinha dificuldade de revisá-las às véspera do TPS ou da 3ª fase.

A forma que achei de incorporar isso foi colocando essas informações já dentro dos cadernos reelaborados. Comecei a colocá-las nas matérias em que as notícias tinham relação. Depois fui criando uma pasta organizada para “Atualidades”. Criei uma divisão de cadernos para PI e comecei a reelaborar também alguns pontos específicos de algumas notícias.

Com o tempo, percebi que, por meio também das atualidades, era possível formar cadernos reelaborados que poderiam ser um diferencial na sua preparação. Acredito que o caderno de atualidades de EUA exemplifica bem esse raciocínio. Por certo, a política externa de Trump traz vários pontos de destaque na mídia. Além de ser um “tema quente” para as provas do CACD. Dessa forma, dada a vastidão de material, já coloquei no índice alguns tópicos da minha reelaboração em relação aos EUA.

Com esse índice, sempre que leio alguma notícia importante dos EUA, não tenho dificuldade em localizar em qual “subtópico” ela se encaixa. E, assim, consigo manter minhas anotações sempre “atualizadas”. Segue também um exemplo de como ficou um subtópico do índice já reelaborado com base nas “notícias” até dezembro de 2017.

Quer começar a organizar cadernos de forma mais otimizada e focada no CACD também?

Como a utilização desse método “deu certo” em HB em 2016, conversando com o prof. Luigi Bonafé após a prova de 2016, ele sugeriu passar para outras pessoas esse processo. Ele achava que poderia contribuir para os estudos de outras pessoas.

Comecei com um grupo de amigos que já estudavam para o CACD há algum tempo. No formato de um minicurso, porque ninguém tem muito tempo com a parte técnica, já que conteúdo não falta no CACD. Eu passei para eles várias dicas de como reorganizar o material. Além de como a hierarquização de informações poderia ser aplicada e melhor aproveitada.

Fiquei surpreso com os feedbacks positivos de como o método tinha “revolucionado” a forma de estudar para o concurso para eles. Um deles, inclusive, acabou utilizando o método para se preparar para entrevistas de emprego em algumas multinacionais. E foi aprovado em 1º em cinco empresas! Disse que usava o método, principalmente, para os assuntos em que não se sentia seguro com o conteúdo.

Fiquei bem feliz com o feedback e comecei a abrir o minicurso para outros interessados

Como essa mudança melhorou minhas notas no CACD

Em 2016, já tinha alguns cadernos esquematizados, como História, e consegui obter uma nota no TPS que me permitiu estudar para as demais fases sem me preocupar com o “limbo”. Fiquei com 49,50 no definitivo, e o corte foi de 44,75.

Em 2017, primeiro ano em que tinha todo o material de estudo “esquematizado” antes do TPS e para todas as matérias, obtive um resultado ainda mais satisfatório. Consegui melhorar minha nota para 51,75, mesmo começando as revisões das anotações apenas após a saída do edital. O que é mais significativo desse resultado é que, mesmo com a nota de corte caindo um pouco, para 44,25 em 2017, melhorei mais de 2 pontos o meu desempenho de um ano para o outro.

Em Política Internacional, como reflexo da reorganização de cadernos tão diversos e de temas em constante mutação, consegui subir minha nota na terceira fase. Em 2016, obtive 63 na prova de Política Internacional e Geografia (ainda eram juntos). E em 2017, obtive 91 em Política Internacional.

Por esses motivos e considerando o tanto que ajudou na minha preparação, recomendo a todos que estão começando a, desde já, organizar caderno e seu material de estudo, já que vocês produzirão muito material.

Reta final para organizar caderno!

Para os que, como eu, não receberam essa dica no começo, não esmoreçam! É possível organizar e, inclusive, incorporar como nova forma de estudo o processo de reorganização de materiais.

Espero que o post tenha contribuído para os estudos de todos e quaisquer dúvidas, estou à disposição. Agora que saiu mais um edital e com os prazos cada vez mais exíguos entre as fases, acredito que conseguir fazer uma revisão rápida e eficiente dos conteúdos acumulados se torna um diferencial cada vez mais importante em um concurso como o CACD.

Bons estudos a todos!

E aí, o que acharam da dica para organizar caderno dada pelo Murilo Simões Cavalcante? Espero que tenham curtido e até reelaborem os conteúdo para o CACD. Ah! Se usam outra metodologia para organizar as suas anotações, compartilhem conosco pelos comentários!

Keep Clipping!


*Murilo Simões Cavalcante nasceu em 1991, em Brasília, e se mudou para João Pessoa em 2008. Cursou Direito na UFPB e foi laureado com 9,49 de média. Começou sua trajetória no CACD em 2014 e desde o ano seguinte sempre passa em todas as fases. Ele criou um curso de Reelaboração de conteúdos como uma espécie de assessoria para quem deseja otimizar os estudos de forma inteligente. Atualmente é professor no Zarinha Centro de Cultura em João Pessoa e leciona História da Civilização Ocidental.


  • Clipping

    Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.



Clipping

Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.

Mais Ferramentas
Conteúdo