Relações Internacionais: Qual é o mercado de trabalho?

  • Cecília Almeida
    Cecília Almeida
    27/10/2021 . min de leitura
Relações Internacionais: qual é o mercado de trabalho?

“Nossa, que área chique!”, “Vai ser diplomata!”, “Vai viajar bastante!”, são coisas que profissionais e acadêmicos das Relações Internacionais costumam ouvir bastante. No entanto, a profissão vai muito além disso. 

As Relações Internacionais ganharam destaque no Brasil no final da década de 1990, com o processo de internacionalização de nossa economia.

Desde então, só tem crescido e hoje abrange diversos campos de atuação, por exemplo: 

  • Terceiro Setor; 
  • Organizações Internacionais;
  • Diplomacia Corporativa; 
  • Relações Governamentais e muito mais.

Neste texto, vamos te apresentar um pouco mais sobre o perfil profissional de RI e sobre o mercado de trabalho. E claro, vamos te contar como a nossa pós-graduação pode te inserir nele.  

Vamos começar?

Competências

Em linhas gerais, um bom profissional deve possuir algumas habilidades básicas, dentre elas, boa comunicação oral e escrita, saber trabalhar em equipe, pensamento crítico, planejamento e organização, adaptabilidade, networking entre outros. 

Porém, para se destacar no mercado de trabalho, é preciso que o internacionalista (ou analista internacional), tenha alguns outros conhecimentos que são essenciais para área, por exemplo:

  • Idiomas estrangeiros: não tem para onde fugir, é preciso aprender idiomas estrangeiros. O mais comum deles é a língua inglesa, mas espanhol e francês também são desejáveis. 
  • Negociação: A negociação é uma atividade comum no ambiente de trabalho das RI, independente do setor. Sendo assim, é importante desenvolver essa habilidade o mais rápido possível. 
  • Conhecimento multicultural: Não é novidade para ninguém que as RIs são multidisciplinares. Mas também, são multiculturais. Sendo assim, quanto mais contato com diferentes culturas – por meio de intercâmbios, eventos e afins -, melhor. 

Lembrando: essas são competências gerais que um bom profissional de RI deve ter. Além dessas, existem diversas outras habilidades específicas de acordo com cada cargo. Então, fique atento!

Agora que já apresentamos o perfil profissional, podemos dar início a apresentação de alguns campos de atuação. 

1. Diplomacia Corporativa

Antigamente, a diplomacia estava restrita ao Itamaraty. Contudo, com o aumento do volume do comércio mundial e com a globalização, as corporações empresariais ganharam maior protagonismo no contexto internacional, e com isso, o campo da Diplomacia Corporativa ganhou espaço no Brasil. 

A Diplomacia Corporativa é o conjunto de conhecimentos e práticas que envolvem as relações de uma empresa com os diversos atores com os quais interagem em seu mercado. 

Portanto, é a pessoa responsável por representar os interesses de uma empresa perante governos, outras empresas e demais stakeholders. É também responsável por estabelecer e manter relações corporativas, com atores nacionais e internacionais.  

As possibilidades de atuação abarcam empresas privadas, multinacionais, instituições financeiras, consultorias e diversas outras. Para esse campo, recomenda-se também conhecimentos em marketing, finanças e outras áreas de gestão.

2. Análise de Risco Político & Relações Governamentais

Risco político 

A Análise de Risco Político busca identificar como uma determinada ação política pode impactar a economia e os mercados. Portanto, ter uma boa compreensão dos riscos políticos pode ser decisivo na criação de uma estratégia, além de facilitar processos de tomada de decisão. 

O local de trabalho mais comum são empresas de consultoria. Entre as principais funções de um analista de risco político estão: identificar e analisar contextos de risco político, gerir processos e atividades associados a ele, pensar e implementar medidas de mitigação, elaborar estudos sobre conjuntura internacional, dentre outras. 

Relações Governamentais 

Aperto de mãos entre dois homens de terno na cor cinza

As Relações Governamentais são o conjunto de estratégias de relacionamento empreendidas com o objetivo de estabelecer um diálogo com o governo. Por meio do contato entre a sociedade e o setor privado com o setor público, esse diálogo busca influenciar diversas discussões com tomadores de decisão sobre assuntos que são de interesse de atores sociais e econômicos. 

Dessa forma, o analista de relações governamentais também tem muitas opções de onde trabalhar: Empresas privadas, ONGs, assessorias, consultorias, órgãos privados.

Dentre as principais responsabilidades estão: desenvolver o relacionamento com instituições, mapear atores estratégicos e possibilidades de parcerias, analisar cenários políticos e muito mais. 

Segundo o Congresso em Foco, além do Inglês, as competências exigidas para a área são: monitoramento político e inteligência, experiência profissional, gerenciamento de questões e riscos políticos.  

3. Terceiro Setor 

O terceiro setor é composto por Organizações Não Governamentais (ONGs), associações, fundações, fundos comunitários e demais agentes que atuam em prol do bem-estar social, principalmente em áreas negligenciadas pelo poder público. São iniciativas privadas, porém sem fins lucrativos. 

As instituições do terceiro setor abarcam temas como meio ambiente, direitos humanos, saúde, empoderamento feminino, empreendedorismo social e diversas outras causas sociais. 

Entre as organizações não governamentais, temos:Greenpeace, Cruz Vermelha, Ofxam, Instituto Ayrton Senna, SOS Mata Atlântica. Existem diversas opções para trabalhar tanto no Brasil quanto no exterior. 

“Clipping, e quais são os cargos e funções? 

A resposta é: depende. Cada vez mais, tais instituições necessitam de mão de obra qualificada e especializada, então oportunidade não falta. Mas, os cargos e funções vão variar de acordo com cada órgão. Você pode trabalhar em diversos setores: marketing, gestão de projetos, relações governamentais, comunicação, direitos humanos. As opções são infinitas!

4. Organizações Internacionais

Todo internacionalista já deve ter sonhado em trabalhar na ONU ou em alguma outra organização internacional. 

As organizações internacionais (OIs) são instituições criadas por países, regidas por meio de tratados, que buscam através da cooperação a melhoria das condições econômicas, políticas e sociais dos Estados-membros. 

Frente da Sede da Organização das Nações Unidas, com todas as bandeiras dos países da organização.

A jornada até uma OIs é longa, mas compensadora. O primeiro passo é pensar sobre quais são suas áreas, países e cargos de interesse. Aqui vão algumas sugestões de páginas que podem te ajudar com isso: 

  • Oportunidades de trabalho e cursos em organismos internacionais: Página do Itamaraty que faz um compilado dos sites de recrutamento de diversas OIs. 
  • UN Careers: É a página da ONU dedicada às possibilidades de carreira na organização. Nela, você encontra todas as informações sobre as vagas disponíveis e ainda é possível filtrar a busca por sua área de interesse. 
  • Analice Martinsson, é Internacionalista e mentora de carreira. Em seu perfil, ela compartilha diversas dicas e oportunidades em OIs. 
  • Você também pode pesquisar diretamente no site da organização de sua preferência. 

5. Paradiplomacia

A paradiplomacia é o conjunto de atividades executadas pelos governos subnacionais (estados e municípios) no âmbito internacional, em busca de seus interesses locais. Pode ser praticada de diversas formas, por exemplo: 

  • Criação de escritórios em cidades no exterior;
  • Participação em feiras internacionais de negócios;
  • Participação em organizações de integração regional, como o MERCOSUL, União Europeia, dentre outras. 

Quer descobrir mais sobre a carreira? Não deixe de conferir nossa live: 

Como a Pós-graduação do Clipping te coloca no mercado de Relações Internacionais?

Em uma parceria Clipping + IBMEC, você pode investir na sua carreira como internacionalista, mesmo sem ter feito uma graduação em RI ou áreas correlatas. 

A nossa Pós-graduação foi pensada para quem busca: 

  • Atualizar e refinar conhecimentos relacionados a relações internacionais;
  • Atuar em organizações internacionais em diversos países;
  • Atuar apoiando negociações entre empresas transnacionais;
  • Oferecer consultoria sobre temas envolvendo diferentes países;
  • Atuar no apoio e no planejamento de ações de cunho político, social ou cultural dos governos, em nível federal, estadual ou municipal.

Ela conta com uma metodologia inovadora, ágil e eficiente, com aulas de até 15 minutos e materiais de apoio exclusivos, além de indicações de leituras e exercícios. Além disso, reúne um corpo docente composto por diplomatas, especialistas no CACD e professores com sólida formação acadêmica.

Pós-graduação em Estudos Diplomáticos do Clipping + IBMEC

Obtenha um título de Pós-graduação reconhecido pelo MEC enquanto se prepara para uma carreira internacional

Durante o programa, vão ocorrer diversas discussões de temas relacionados à política internacional, além de eventos de networking, sobretudo durante as palestras com especialistas convidados, que vão ocorrer durante todo o curso. 

Por último, mas não menos importante, o curso também oferece ao aluno um título de pós-graduação certificado com nota máxima (5) pelo MEC

Ficou interessado? Dá uma olhadinha na ementa do curso e nessa playlist de vídeos com alguns temas relacionados à pós. 

Vale lembrar que não é preciso ter conhecimento prévio em temas internacionais. O único requisito é ter concluído um curso de graduação.

Conclusão

Deu para perceber que o mercado de trabalho das Relações Internacionais é muito diverso. Neste post, comentamos apenas algumas opções de carreira. Existem muitas outras possibilidades como a carreira acadêmica, concursos públicos… É tanta coisa que não caberia tudo em post do Clipping.  

É importante manter em mente que: 

  • Para se destacar, além das habilidades básicas é preciso ter conhecimentos específicos para cada cargo; 
  • Caso você tenha se interessado por alguma dessas áreas é importante que você faça uma pesquisa mais aprofundada, levantando informações sobre como ingressar nesse mercado. 

O Clipping está aqui e pode te ajudar nessa jornada! Nos acompanhe nas nossas redes sociais. 


  • Cecília Almeida
    Cecília Almeida

    Cecília é estudante de Relações Econômicas Internacionais e atua no time de Conteúdo do Clipping!


Cecília Almeida
Cecília Almeida

Cecília é estudante de Relações Econômicas Internacionais e atua no time de Conteúdo do Clipping!

CACD

O diplomata que sabia demais...

  • André Bernardo
    André Bernardo
    min de leitura