Como será a prova discursiva do concurso da Polícia Federal 2018?

  • Clipping
    03/05/2018 . 11 min de leitura

Prova discursiva da Polícia Federal, como será?

“Ah, fácil né, Clipping? Só ler algumas matérias na revista semanal que meu pai assina e acompanhar o Jornal das 8, que vai dar tudo certo!”

fred mercury

Por favor, não se iluda.… Ainda há por parte de alguns candidatos a ideia de que dá para se safar na prova discursiva da Polícia Federal na base do senso-comum, na base do improviso e na base daquele resumão que você baixou na internet. Desculpe a franqueza, mas temos a obrigação de te trazer à realidade: negligenciar a prova discursiva e as atualidades pode sair muito caro.

É sobre isso que vamos falar nesse post que está dividido assim:

  1. Como é a prova discursiva da PF
  2. Deve o candidato redigir uma introdução, desenvolvimento e conclusão?
  3. Deve a dissertação conter um título?
  4. O modelo da prova discursiva pode mudar?
  5. Quais temas são cobrados nas provas discursivas da Polícia Federal
  6. Como é avaliada a prova discursiva da PF
  7. Apresentação textual
  8. Desenvolvimento do tema
  9. Conclusões necessárias

Partiu desvendar a prova discursiva do concurso da Polícia Federal de 2018? Então vamos lá!

Como funciona o conteúdo do Clipping para a PF ?

A plataforma do Clipping traz conteúdos abrangentes de forma a cobrir toda a preparação para o concurso da PF, como planos de estudos, materiais bibliográficos, vídeos, mapas mentais e simulados com questões separadas por tópico do Edital por 29,90 ao mês no plano anual. Crie sua conta aqui .

1. Como é a prova discursiva da Polícia Federal

Antes de analisar o conteúdo em si que é cobrado na prova discursiva para a Polícia Federal, vejamos um pouco mais a fundo como são estruturadas as provas discursivas do CESPE.

Pode parecer óbvio dizer isso, mas boa parte dos candidatos ainda não se deram ao trabalho de dar uma olhada nas antigas provas discursivas da Polícia Federal. Muita atenção com isso. A melhor forma de entender o que nos aguarda no concurso da Polícia Federal de 2018 é dando uma olhada em como foi a prova discursiva nos anos anteriores… É preciso entender a filosofia “cespiana” das provas discursivas para entender o que nos aguarda na prova da Polícia Federal de 2018.

Os melhores parâmetros para entender bem isso são:

  • Provas antigas do CESPE para diversos cargos na Polícia Federal, em particular,
  • Provas antigas do CESPE para outros concursos, de forma geral.

Vejamos como foi a prova discursiva da Polícia Federal para o cargo de Agente da PF do último concurso 👇

Essa é a estrutura clássica de uma prova discursiva do CESPE.

Na anatomia das provas discursivas “cespianas”, podemos destacar 3 elementos :

  ➡️ 1. Presença de um trecho de caráter motivador: [o qual não é recomendado que candidato cite ou faça referência expressa, a menos que o comando da questão assim exija ou permita]

  ➡️ 2. Tema objetivamente delimitado versando sobre atualidade: [no caso acima foi “Civilização Contemporânea e Terrorismo“. Normalmente, o candidato bem preparado não terá surpresas com relação aos temas]

  ➡️ 3. Três tópicos dados pela banca que deverm ser, necessariamente, abordados no texto: [Em cada parágrafo de desenvolvimento o candidato deve abordar com objetividade um desses tópicos];

Basicamente toda prova discursiva do CESPE trará os 3 pontos acima. A prova discursiva da Polícia Federal de 2018 não será diferente.

Se a estrutura da prova discursiva é essa acima, qual deverá ser a estrutura da resposta dos candidatos? Bom, se tratando de provas discursivas, o CESPE tem suas peculiaridades. Vejamos algumas delas nos subtópicos seguintes.

2. Deve o candidato redigir uma redação com introdução, desenvolvimento e conclusão?

Esse é um grande dilema. Não se pode dizer que há um consenso entre os especialistas sobre o uso do modelo introdução/desenvolvimento/conclusões em textos do CESPE.

De acordo com alguns especialistas, é possível abrir mão da introdução e da conclusão e responder diretamente aos 3 tópicos solicitados na questão. Embora alguns professores admitam que, ao fazê-lo, o candidato corre o risco de comprometer a coesão do texto, outros defendem essa posição de que não se deve usar introdução e conclusão em dissertações do CESPE. 

É um tema delicado e a questão é polêmica.

O que se pode dizer é que, pelos modelos de respostas disponibilizados pelo próprio CESPE, percebe-se claramente que a banca busca respostas objetivas aos 3 tópicos apresentados na prova discursiva.

Veja:

ATENÇÃO: Embora o modelo disponibilizado pelo CESPE haja um só parágrafo é fortemente recomendado que o candidato aborde cada um dos 3 tópicos cobrados pela banca em parágrafos separados.

Mas então, o que você acha? Com introdução e conclusão ou sem?

Deixe seus comentários a respeito disso no final desse post.

3. Deve a dissertação conter um título?

O candidato não deve fazer título para sua dissertação, a menos que o enunciado da questão peça expressamente que o candidato dê um título à ela.

Esse tema é menos polêmico do que o tratado acima e parece haver consenso por parte dos especialistas…

Vale lembrar que o Edital deixa claro que, se na dissertação constar identificação em local indevido, o candidato receberá nota no texto igual a 0 pontos! Acredita-se que o título da dissertação pode ser um fator que identifique, aos olhos da banca, o candidato responsável pela prova. Portanto, devem ser evitados títulos na dissertação.

Repetindo: a menos que a banca exija, não coloque título na sua dissertação.

4. O modelo da prova discursiva pode mudar?

“Ah, Clipping, mas quer dizer que a prova discursiva para o concurso da Polícia Federal em 2018 manterá essa mesmíssima estrutura?”

Não necessariamente! É possível, mas bastante improvável, que haja mudanças sim em relação ao padrão cespiano das discursivas. Veja como o CESPE consegue ser bizarro quando quer nas provas discursivas. O que você verá abaixo é a prova discursiva para cargo de Agente da Polícia Federal do ano de 2004.

Veja que a proposta de redação acima não seguiu exatamente o modelo cespiano sobre o qual falamos acima.

Espere o melhor, prepare-se para o pior!

Essa é a filosofia com a qual fazemos a preparação para a prova de atualidades e para as provas discursivas no Clipping. Embora nosso norte seja o padrão “cespiano” das provas discursivas, a tendência é que o candidato enfrente uma ou outra surpresa ao longo do treinamento do Clipping para a PF justamente para não ter surpresas no dia da prova.

Para o concurso da ABIN, antecipamos e mapeamos 3 das 4 questões discursivas e demos subsídios o bastante para os candidatos não serem pegos de surpresa pela banca no dia D.

Falamos mais sobre os temas que devem ser cobrados no tópico seguinte, veja 👀👇

5. Quais temas serão cobrados nas provas discursivas da Polícia Federal

“Clipping, em relação aos temas, a serem cobrados, teremos surpresas?”

Em geral, não há grandes surpresas em termos de temas nas provas discursivas do CESPE.

O que não significa que o candidato não deva investir sistematicamente no estudo de atualidades. Pelo contrário, é preciso mapeamento estratégico de temas que muito provavelmente darão as caras na prova discursiva da Polícia Federal de 2018.

A título de exemplo, veja o tema abaixo, que foi cobrado na prova de Agente da Polícia Federal de 2008:

“Clipping, mas “PRONASCI”, “eficiência policial”, “repressão policial” isso não é atualidade, certo?”

Errado! É sim!

Essa dissertação de 2008 cobrava do candidato a capacidade de dissertar sobre vários os temas de segurança pública abrangentemente tratados no contexto do lançamento do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (PRONASCI), em 2007. Veja que as atualidades e inovações institucionais do Ministério da Justiça em geral e da Polícia Federal em particular, devem ser monitorados também pelos candidatos. São temas quentíssimos, que merecem atenção de quem está buscando uma vaga na PF e que estavam claramente sugeridos no Edital.

Boa parte do trabalho do Clipping PF foi esse monitoramento criterioso. Inclusive, para você que agora já está de olho no concurso da PRF, é bom saber que já estamos a todo vapor no Clipping PRF! Se você estiver interessado em levar seus estudos a sério, sugerimos que dê uma olhada na plataforma de estudos online do Clipping!

 

Estude para o Concurso da PRF

 

 

Veja o que consta no Edital:

ATUALIDADES: Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança pública, suas inter-relações e suas vinculações históricas.

Os Planos nacionais de segurança pública, como consta no edital, tem repercussão limitada nas mídias, mas são temas quentíssimos para a banca. Fica a ressalva de que os temas de atualidades que devem ser estudados para a prova da Polícia Federal nem sempre são óbvios ou estão nas manchetes.

Por essa razão, nos Clippings específicos para o concurso da Polícia Federal, você encontrará um mapeamento mais abrangente dos temas do Edital, levando em conta:

  • Matérias de atualidade;
  • Trechos resumidos de artigos especializados; 
  • Notas oficias de sites do Ministério da Justiça, Palácio do Planalto, etc;

Boa parte desse trabalho vai além do mero selecionar notícias, passando também por entregar entregar aos candidatos conteúdos específicos sobre Segurança Pública, estritamente alinhados com o discurso que a banca espera. É justamente esse o conteúdo disponibilizado no Clipping PF

6. Como é avaliada a prova discursiva da Polícia Federal

Como é a forma de avaliação das provas discursivas da Polícia Federal?

Ao contrário de bancas como Cesgranrio, que privilegiam a parte da gramática em detrimento do contéudo,

O CESPE dá um peso muito maior ao conteúdo do que à gramática.

A linha do CESPE privilegia claramente a parte da argumentação, da exposição de ideias em detrimento da parte gramatical em si.

Atenção, não estamos dizendo que não é importante escrever de acordo com a norma culta e nem que você não perderá pontos se não o fizer. O que estamos dizendo é que, para o CESPE, o que vai determinar sua nota será sua desenvoltura para argumentar consistentemente acerca de um tema.

Essa priorização do conteúdo fica muito clara nos últimos Editais dos concursos da Polícia Federal. Esses Editais explicitam que as discursivas serão avaliadas quanto a:

a) apresentação textual (legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos);

b) desenvolvimento do tema (objetividade e posicionamento frente ao tema; articulação dos argumentos; consistência e coerência da argumentação);

c) domínio da modalidade escrita da língua portuguesa;

Vejamos em detalhes cada um desses critérios:

7. Apresentação textual

Para quem ainda tem dúvida. Vamos deixar bem claro:

Capricho faz sim toda a diferença.

Nos últimos editais do concurso da Polícia Federal a legibilidade aparece como um critério dentro da rubrica “apresentação textual”. Assim como legibilidade, é cobrado expressamente respeito às margens e indicação de parágrafos. Esses critérios não estão arrolados no Edital por mero acaso… Isso é sim, avaliado, pessoal.

A forma tem uma importância fundamental para o CESPE. E convenhamos: nada mais justo do que avaliar pela organização do seu texto, sua capacidade de externalizar uma forma à altura do conteúdo exigido de você. 

“Mas, Clipping, devo usar letra de forma ou cursiva”

Não há hoje banca que implique com o fato de você usar letra de forma ou letra cursiva. Não faz diferença se você usa letra de forma ou cursiva. O que importa é que seu texto tenha uma apresentação razoável nos quesitos: legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos.

8. Desenvolvimento do tema

Desenvolvimento do tema é outro crítério que consta expressamente nos últimos Editais do concurso da Polícia Federal. Dentro da rubrica “desenvolvimento do tema” são avaliados: objetividade; posicionamento frente ao tema; articulação dos argumentos; consistência e coerência da argumentação.

O CESPE vai avaliar sua capacidade de se posicionar sobre determinado tema com argumentos consistentes logicamente encadeados. Deve haver uma progressão e fluidez conectando as ideias lançadas no texto. É fundamental demonstrar para a banca sua capacidade de pensamento crítico, de inter-relacionar leituras prévias.

Como dito acima, a correção das provas discursivas do CESPE privilegiam claramente a parte da argumentação, da exposição de ideias.

Embora muitos candidatos não queiram ouvir isso, é importante deixar claro:

Você não conseguirá enrolar a banca com chavões e encheção de linguiça.

Os números dos últimos concursos da Polícia Federal não perdoam.

No concurso de Agente da Polícia Federal de 2012, por exemplo, 49 candidatos que estariam entre os aprovados dentro do número de vagas (500 vagas) foram desclassificados por não terem atingido a pontuação mínima na prova discursiva.

No geral, de 1500 candidatos a Agente de Polícia Federal que tiveram suas provas discursivas corrigidas, 257 foram desclassificados. Algo em torno de 20% dos candidatos que chegaram a ter suas redações corrigidas, não tiraram pontuação mínima (6,5 pontos em 13 pontos)!  [Compare a nota de corte do concurso da Polícia Federal com a nota de corte do concurso da ABIN aqui]

9. Conclusões: fazendo o necessário

Mais do que a gramática em si, o que conta para o CESPE nas provas discursivas é o contéudo.

Fingir a prova discursiva não existe, não é o caminho.

Não é o caminho achar que você vai enganar a banca na base do “embromation” ao longo de 30 linhas. Não é o caminho, você buscar a salvação naquele resumo de atualidades lido às vésperas da prova.

Falando abertamente o que você no fundo já sabe: Isso não vai funcionar! Você está prestes a encarar um dos concursos mais disputados do Brasil para uma das carreiras mais bem remuneradas [ver salários da Polícia Federal aqui].

Estudar atualidade para a prova discursiva não é divertido. Pelo contrário, é algo extremamente penoso para a maioria dos candidatos e prazeroso para uma bem aventurada minoria…

Se você leu esse post inteiro à procura de uma fórmula mágica para ser aprovado sem esforço e sem investimento, desculpe a franqueza: mas o Clipping não pode fazer nada para te ajudar.

Agora, se você realmente quer fazer o concurso da Polícia Federal buscando a aprovação,  se você disposto a levar as coisas a sério pelos próximos meses, o Clipping está aqui para tornar sua jornada até a aprovação mais simples. Isso, sim, podemos fazer, de forma honesta, transparente e com 100% foco na prova.

Bem-vindo ao Clipping PF!

Curtiu o post? Tem alguma dúvida? Deixe um comment abaixo:

Summary
Prova dissertativa da Polícia Federal 2018: Saiba o que te espera!
Article Name
Prova dissertativa da Polícia Federal 2018: Saiba o que te espera!
Description
Desvendamos a prova dissertativa da Polícia Federa! Aprenda em um único post como lidar com a prova dissertativa do concurso da PF. Clique aqui!
Author
Publisher Name
Clipping CACD
Publisher Logo

  • Clipping

    Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.



Clipping

Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.

Mais Ferramentas
Conteúdo