Como é a prova discursiva PRF?

  • Clipping
    29/10/2018 . 9 min de leitura

Amigos do Clipping, prova da PRF chegando e com ela surge a necessidade de entender melhor o que será cobrado dos candidatos à Polícia Rodoviária Federal. Um dos primeiros pontos para se entender o que pode ser cobrado na prova do concurso da PRF de 2018 é saber:

  1. Quais temas foram cobrados na prova discursiva da PRF?
  2. Como é a estrutura de uma prova discursiva do CESPE?
  3. Como mapear os temas que podem cair na prova da PRF?
  4. Proposta discursiva do Clipping

Vamos a essas questões.

Quais temas foram cobrados na prova discursiva da PRF?

De acordo com o último Edital, a prova discursiva consistia em uma dissertação de até 30 linhas a respeito de objetos relacionados ao ponto 22 do Edital.

Segue um print do Edital anterior do concurso da PRF.

“Mas, Clipping, o que dizia exatamente esse ponto 22 do Edital?”

Então, o ponto 22 do Edital é exatamente a parte do Edital que detalha todo o conteúdo programático cobrado na prova, que vai desde Português até Matemática, passando por Legislação Especial, Direito Penal, etc.

Resumindo: o Edital dispunha que a dissertação poderia ser referente a qualquer tema abrangido pelo Edital. 

“Ah, então isso quer dizer que o CESPE não dá para saber o que cai?”

Na verdade, dá sim.

Como vimos no tópico acima, os editais costumam ser vagos e dizem que qualquer tema presente no edital pode ser cobrado na redação. Isso não significa, no entanto, que as questões discursivas são imprevisíveis.

É perfeitamente possível mapear uma série de temas que merecem a atenção dos candidatos nas provas discursivas.

Prova discursiva PRF 2013

Vejamos o que foi cobrado na última prova discursiva da PRF, que ocorreu em 2013:

Veja que o tema escolhido pela banca foi “contrabando”, tipo penal que encontramos no art. 334-A do Código Penal, que se encontra sob o título “dos crimes contra a administração pública”.

É importante ressaltar que, embora “contrabando” não conste expressamente no Edital, a rubrica “dos crimes contra a administração pública” foi um dos pontos a serem estudados no programa de penal.

Vejamos:

Um detalhe importante é o de que apenas um dos quatro pontos cobrados na prova discursiva poderia ser respondido com base no estudo do Código Penal: a definição do crime de contrabando.

Não havia qualquer tópico no último no Edital do Concurso da PRF que, se estudado pelo candidato, pudesse  prepará-lo para discorrer sobre os outros 3 pontos pedidos pela banca:

  • Principais cargas e mercadorias contrabandeadas em território nacional;
  • Explicação dos problemas que o contrabando traz em termos econômicos e saúde pública;
  • Sugestão de medidas aplicadas pelas forças policiais para combater o contrabando;

É importante perceber que esses tópicos acima são temas de atualidades.

“A banca extrapolou o Edital na prova discursiva da PRF?”

Sim.

Não que isso seja certo, mas é o que ocorre. Em se tratando de prova discursivas, é comum haver essa flexibilização do princípio de que “o que não consta no Edital não cai”.

Resumindo: ainda que não esteja previsto em editais, você ficará cara a cara com temas de atualidades na prova discursiva do concurso da PRF de 2018.

Essa extrapolação ocorreu na prova discursivas do concurso da PF. No concurso da PF também não se cobrou expressamente atualidades no Edital, mas esses temas despencaram na última prova discursivas da PF.

Como é a estrutura de uma prova discursiva do CESPE?

Veja que a prova do último concurso da PRF seguiu a risca o padrão do CESPE para provas discursivas, que segue a estrutura:

  1.  Presença de um trecho de caráter motivador: [o qual não é recomendado que candidato cite ou faça referência expressa, a menos que o comando da questão assim exija ou permita]
  2. Tema objetivamente delimitado versando sobre atualidade afeto ao universo do cargo: [no caso acima esse tema foi “Contrabando no Brasil“. Normalmente, o candidato bem preparado não terá surpresas com relação aos temas]
  3. Tópicos dados pela banca que deverm ser, necessariamente, abordados no texto: [Em cada parágrafo de desenvolvimento o candidato deve abordar com objetividade um desses tópicos];

Como mapear os temas que podem cair na prova da PRF?

Não só é possível, mas é também necessário entender que tipo de temas de atualidades podem ser abordados na redação.

Tomando ainda como exemplo a discursiva de 2013 para o cargo de Policial Rodoviário Federal, como alguém poderia prever que “contrabando” seria o tema explorado pela banca?

O mapeamento de temas que podem ser cobrados nas discursivas deve levar em conta:

a) Temas relacionados à atuação da PRF;
b) Temas que ganham destaque na mídia;
c) Temas debatidos no Congresso.

Vejamos caso a caso os aspectos a se levar em conta.

a) Temas relacionados à atuação da PRF: 

Provas discursivas avaliam o candidato em temáticas afetas à atuação fim do órgão em questão.

É fundamental compreender como, de forma geral, é a atuação da Polícia Rodoviária Federal (PRF). A partir da compreensão dos limites de atuação do órgão, é possível entender qual o tipo de conteúdo pode ser cobrado na prova discursiva.

Uma lida rápida no site institucional da PRF nos dá uma boa visão do que se pode esperar nas redações. Fica aqui um exemplo de um trecho tirado do próprio site:

Alguns dos ilícitos penais enfrentados pela PRF nas rodovias federais são: tráfico de drogas, armas e pessoas, contrabando e descaminho, crimes ambientais, roubo e furtos de veículos e cargas, exploração sexual de crianças e adolescentes, entre outros.

Veja acima que o tema contrabando, tema cobrado na prova da PRF em 2013, está entre os 8 ilícitos citados pelo site.

Embora não se encontre no site institucional uma lista exaustiva de todos os ilícitos combatidos pelos policiais rodoviários federais ou todas as formas de atuação, conhecer o escopo mais comum de atuação da PRF ajuda bastante a limitar o escopo de temas que merecerem atenção nos estudos para provas discursivas.

O conhecimento prévio do escopo de atuação do órgão para o qual o candidato pleiteia uma vaga é uma obrigação de cada candidato. É algo simples e que cada um pode fazer em minutos por meio da leitura do FAQ da PRF.

Contrabando não foi um tema aleatoriamente cobrado. Foi cobrado porque, de acordo com a própria PRF, trata-se de um dos ilícitos mais enfrentados pela instituição.

Ou seja: há um nexo entre o que será cobrado e a atuação do órgão.

O candidato deve estar atento a essa conexão.

b) Destaque na mídia

Além de compreender os principais temas afetos à atuação do órgão, é preciso saber quais desses temas vem ganhando destaque na mídia.

Vejamos o caso do contrabando, tema cobrado na prova discursiva da PRF em 2013:

Em Julho de 2013, um relatório da Receita Federal lançou luzes sobre a perda de arrecadação trazida por atividades de contrabando.

Esse relatório motivou uma série de reportagens sobre o tema. Em agosto, mês em que foi aplicada a prova discursiva da PRF, o tema encontrava-se no pico da curva de interesse, como demonstrado abaixo:

 

 

“Ah Clipping, mas como saber exatamente o que merece destaque nos estudos?”

Sem querer entrar em um momento jabá aqui, mas não podemos deixar de registrar que recomendamos que, para se evitar perder tempo com temas que não são relevantes e com matérias mal escritas ou incompletas, que os candidatos invistam no acompanhamento diário dos clippings PRF até a data da prova.

O trabalho feito pelo Clipping é justamente o de triar o que importa para que você estude só o que é relevante. Essa dimensão da preparação é fundamental. Veja que todos os tópicos cobrados pela banca na prova de 2013 poderiam ser respondidos com base na leitura de matérias como essa.

O trabalho feito pelo Clipping é justamente o de triar o que importa para que você estude só o que é relevante e para que os candidatos não percam o tempo precioso de que dispõe correndo atrás de matérias incompletas ou irrelevantes para a prova.

“Isso quer dizer que os candidatos que não assinarem o Clipping não podem ter uma preparação boa para a prova discursiva?”

Não é isso. Não há um só método de acompanhamento de temas de atualidade, mas até o momento o Clipping é, sim, o método mais eficiente e é o que vem sendo usado pelos candidatos a concursos da PRF.

c) Debates no Parlamento brasileiro sobre temas afetos 

A noção de que o parlamento é uma caixa de ressonância da sociedade.

Podemos dizer que o que rola na Câmara e no Senado, sobretudo em comissões relacionadas à atuação da PRF como a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, são temas a que os candidatos devem estar atentos.

Isso fica bem claro no exemplo do tema de contrabando, cobrado pelo CESPE no concurso em 2013 da Polícia Rodoviária Federal. No período que precedeu a prova da PRF, houve intensa discussão na Câmara, mais especificamente na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCCO) sobre um projeto de Lei que distingue contrabando de descaminho, que posteriormente deu origem à Lei 13.008, que mudou a definição do crime de contrabando .

Contrabando foi um tema cobrado em 2013, pois naquele ano estava em debate uma reforma na definição desse tipo penal.

Vale também lembrar que o tema que mais recebeu manifestações da sociedade na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado (CSPCCO) foi justamente a reforma do legislação penal, da qual a redefinição de “contrabando” fazia parte.

 

Esse monitoramento junto aos temas que ganham destaque no Congresso, na comissões e nos órgãos oficiais é feito pelo Clipping?

Sim. Lembramos que o monitoramento de temas do Clipping e as propostas de atividades discursivas do Clipping para a PRF já leva em conta não só o que ganha destaque nas matérias dos jornais, mas também a ressonância que esses temas ganham nas esferas dos órgãos oficiais.

Candidatos que assinam o Clipping PRF não precisam se preocupar com o mapeamento dessas temáticas junto ao legislativo.

Uma dica para quem não assina o Clipping é acompanhar o site de Comissões, como a Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e os relatórios de atividade dessas comissões.

É possível mapear certos temas que devem constar na prova discursiva da PRF.

Os temas estudados pelos candidatos devem priorizar temas que tenham um nexo com a área de atuação do órgão (no caso a PRF), que tenham tido amplo destaque recentemente e que repercutam também no Congresso e suas comissões.

Atividade discursiva do Clipping

A primeira atividade discursiva proposta aos candidatos do Clipping PRF versou sobre a greve dos caminheiros e a atuação da PRF.

Foto: Twitter PRF | Foto de capa: YouTube PRF

No caso percebemos que se trata de um tema:

  1. Afeto à atividade da PRF (segurança nas estradas federais);
  2. Ganhou amplo destaque recentemente (foi um dos pontos altos da atuação da PRF em 2018, envolvendo a polêmica sobre a atuação da PRF em garantir direitos de ir e vir em contraposição a direitos de greve);
  3. Envolveu discussões no legislativo e posicionamentos oficiais da PRF (ver aqui matéria sobre)

Agora você já conhece como é a prova discursiva da PRF e como é a escolha do tema. Me conte nos comentários como está a sua preparação e se tem alguma dúvida sobre a prova discursiva, pode ser?

PS: Ainda dá tempo de começar a se preparar para a prova discursiva e objetiva com o Clipping. Veja abaixo como funciona todo o plano de estudos:


  • Clipping

    Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.



Clipping

Uma plataforma de estudos capaz de te ajudar a estudar com autonomia, através de planos de estudo, roteiros de leitura, mapas mentais, resumos e simulados.

PRF

Como entrar na PRF?...

  • Clipping
    15 min de leitura