A influência das redes sociais na performance dos estudos

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    02/10/2020 . min de leitura
As redes sociais influenciam no desempenho dos estudos?

Você saberia dizer o que mais pode atrapalhar o desempenho na hora dos estudos?

Bom, nem é tão difícil assim. Aliás, o título já deu spoiler. A influência das redes sociais é determinante para o desempenho no aprendizado. 

E não há como negar, Facebook, Instagram, Twitter, Tik Tok… chamam muita a atenção. E eles estão aí, na palma da sua mão, prontos para te dar entretenimento por horas e horas… 

O celular, o dispositivo em que geralmente se acessa as redes, se tornou parte indispensável de nossa rotina, já que é também por ele que sabemos das notícias do dia, acordamos, escutamos músicas e nos conectamos a outras pessoas que conhecemos. 

Com esse poder tão grande em nossas vidas assim, é possível se livrar do celular e principalmente das redes sociais para focar nos estudos? 

Tem sim. E a gente te ajudará.  

Como as redes sociais impactam sua produtividade nos estudos

Antes de saber como deixar de usar as redes sociais para focar nos estudos, vale uma reflexão: qual a sua capacidade em largar as mídias para estudar?

É preciso reconhecer que as mídias sociais, apesar de ser, sim, um problema na hora de estudar, são ferramentas importantes em nossas vidas. 

Por elas, falamos com aquele parente que está longe, por exemplo. Ou mesmo mantemos contato com outras pessoas que também estudam, trocando informações importantes para o aprendizado. 

O problema mora quando não se consegue administrar o tempo de uso dessas ferramentas, fazendo com que elas sejam efetivamente um obstáculo em seu desempenho. 

É quando um vídeo de cachorro brincando de pique-pega com uma galinha chama mais atenção do que a matéria que está estudando. E você simplesmente foca no entretenimento e não no ato de estudar em si. 

Dicas para controlar o uso das redes sociais

A influência das redes sociais, portanto, é forte no desempenho de seus estudos. E sabemos o quão complicado é simplesmente abandonar essas distrações. 

Mas, temos algumas dicas. Leia. 

Reconheça o problema

O primeiro passo é você admitir que tem um problema. É ter consciência de que sua rotina é afetada pelo uso das redes sociais.

É a partir dessa autocrítica que você começa a tomar impulso e ter outras atitudes para interromper a influência das redes sociais. 

Desative as notificações

O sininho, a vibração, o toque. Três formas que as redes sociais têm para te lembrar que ela está ali, querendo sua atenção. 

Loga Internet Mensagem GIF - LogaInternet Mensagem Notificacao GIFs

Vá até todos os seus aplicativos (todos mesmo) e desative as notificações. Não deixe sequer vibrando. Simplesmente, corte. 

O gatilho para te distrair será desativado e terá menos chances de perder o foco.

Uma dica rápida para eliminar o risco de qualquer notificação durante o horário de estudo é também colocar o celular em modo avião.

Deixe seu celular fora do local de estudo

Com certeza você tem um canto na casa em que você entra e a concentração não sai, certo? 

E com esse texto aqui, você já deve ter percebido que concentração e celular, nem sempre, são usados juntos em uma frase de forma positiva, certo?

Por isso, evite levar o aparelho para seu ambiente de estudo

“Mas eu já desativei as notificações, qual o problema?”

A presença. 

O simples fato de saber que seu celular está ali, perto de você, faz com que se sinta aquela vontade de dar uma conferida nas notificações, que, por mais que elas estejam desativadas, você saberá que elas possivelmente estarão lá te esperando. 

Sem falar que o contato visual é forte gatilho. Então, não leve, se possível, o celular para o lugar onde você estuda. 

Estabeleça uma rotina para acessar às redes

Você já não tem as notificações para ficar chamando a sua atenção para olhar o celular. Você sequer usa o smartphone no seu cômodo de estudo. 

Bom, mas algo lá dentro de você pode querer dar aquela olhada. Só uma olhadinha e dar uma fugida para checar o telefone…

É difícil largar um vício assim, de uma hora para outra. 

E para “resolver” esse problema, coloque em seu planejamento pausas entre uma jornada de estudo e outra.

Aliás, essa é uma dica recomendada em toda rotina de estudos. As pausas precisam ser levadas em conta quando você faz um plano de aprendizado visando uma prova, como concursos ou o Enem. 

Além de fazer com que seu cérebro “descanse”, essa pode ser a hora de sanar também sua vontade quase que irresistível de zapear pela timeline. 

Mas cuidado. Essas pausas precisam ser muito bem regradas quanto a tempo. Não extrapole. 

Crie um perfil só para os estudos

Talvez você tenha um forte dilema: usa as redes sociais para, de alguma forma, estudar. Isso é possível. 

Como, então, simplesmente largar as redes? 

A opção mais viável e fazer um perfil só para estudo. 

Como assim?

Crie uma conta nova em que você usará só para seguir as páginas na qual você usa para estudar, para participar de grupos de discussão… enfim, para focar, de fato, nos estudos. 

“Então quer dizer que é para evitar amigos e familiares?”

Exatamente. Com uma perfil pessoal, é muito mais provável que você passe horas olhando a timeline para saber o que essas pessoas estão fazendo, dizendo, pensando… 

Não precisa, ainda, excluir a sua conta pessoal, mas deslogue dela ao longo do dia e fique logado apenas no perfil de estudo.  

Pense em eliminar os apps do seu celular

Se com todas essas dicas você ainda sentir que a influência das redes sociais é forte, a solução é simplesmente apagar os aplicativos de seu celular. 

A medida pode ser drástica, mas não há caminho mais viável para se concentrar mais nos estudos se não simplesmente deixar de ter as redes sociais na palma da mão. 

Por isso, se as dicas anteriores não funcionaram, corte o mal pela raiz. Enquanto você estiver se preparando para estudar, exclua os aplicativos do seu smartphone. 

Pomodoro

A técnica Pomodoro consiste delimitar seu tempo de estudo e o de descanso de maneira intercalada. 

Geralmente, ela divide em 25 minutos para o estudo e 5 de pausa. Ela é muito famosa entre aqueles que precisam de foco, seja para trabalhar ou para estudar. 

Existe um app próprio para isso e que pode ajudar a você definir quando estará estudando ou navegando pelas redes sociais. 

Use o tempo de pausa checar as mídias, mas seja bem regrado: obedeça o tempo determinado para que faça sentido você usar mais um aplicativo em seu celular.

Forest

Você é da época do Tamagotchi? 

Tamagotchi GIF - Tamagotchi 90s Toy GIFs

Ele era um aparelhinho que simulava um animal de estimação. Você tinha que cuidar, dar comida, fazer dormir… 

Bom, mas o que isso tem a ver com a influência das redes sociais nos estudos?

É que a proposta do Forest é parecida. Só que você precisa cuidar de uma árvore. Como? Não entrando nas redes sociais. Quando isso acontece, sua árvore cresce cada vez mais. 

A sua planta pode ficar cada vez maior e se ampliar até virar uma floresta. É um jeito divertido para motivar a ficar longe das redes! 

Moment

Esse app tem como objetivo determinar uma rotina de uso das redes sociais. Ele calcula quanto tempo você passa em cada mídia, com uma visão geral para um determinado período.

Com um relatório completo, você consegue definir melhor quais são os horários em que você usa mais as redes sociais e estabelecer, conforme essas informações, uma rotina melhor determinada para o uso desses aplicativos.

Lembre-se, apenas, que essa rotina deve encaixar ao seu plano de estudo. 

Flipd

Esse app é mais radical do que os demais. Ele simplesmente te impede de usar o celular durante um tempo pré-determinado. 

Durante esse tempo, ele mostra um temporizador na tela com uma contagem regressiva até acabar o período e você conseguir usar o aparelho. 

Há um modo mais “ameno”, em que é possível que você navegue pelo celular, mas o aplicativo te lembra, com uma certa insistência, do uso prolongado do aparelho.  

Siempo

Desligar as notificações é um caminho para diminuir a influência das redes sociais na performance de seus estudos. 

Mas, se você tiver que usar o celular para outras finalidades, como consultar a agenda um anotações importantes do seu estudo, talvez seja tentador olhar as notificações, mesmo que elas estejam silenciosas, certo?

É com esse intuito que o Siempo te ajuda. Ele bloqueia as notificações das redes sociais, mas deixa disponíveis outros app como agenda, bloco de anotações e mapas. 

Desse modo, você pode usar o celular sem medo de “sem querer” cair nas redes sociais.

“sem querer”…

A influência das redes sociais é inimiga do foco!

Você percebeu ao longo desse texto que a influência das redes sociais é sim determinante para a sua performance nos estudos. 

E há um caminho saudável para que você diminua esse poder em sua vida. 

Você sabe, também, que o foco é o mais prejudicado nessa relação. E sem um, você compromete o seu desempenho em quase tudo o que faz. 

Porém, o foco não é prejudicado apenas pelas redes sociais, ainda que elas sejam um componente poderoso nessa equação. 

Se você ainda tem problemas para se concentrar nos estudos e isso não é só por conta das redes sociais, nós temos mais uma dica para você, que é esse texto que lhe contará como focar nos estudos

Você verá que esse é um problema que dá para resolver. Acredite. 


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!

Estudar ouvindo música é uma boa? Ajuda ou atrapalha?

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    . min de leitura
Música ajuda ou atrapalha os estudos

A rotina de estudo é intensa: você acorda, toma um café, talvez um banho, senta-se à sua mesa, abre um livro e lá se vão horas e horas de pura dedicação. 

Por mais que você se isole no seu local de estudo, as distrações acontecem: conversas de familiares, um telefone que toca, a obra do vizinho ou mesmo aquele amigo ou amiga de apartamento que está aprendendo a tocar um novo instrumento.

Qualquer barulho é um gatilho para a desconcentração. 

Para fugir dessas armadilhas, muitos resolvem estudar ouvindo música e acreditam que isso ajuda na concentração.

Tem quem goste. Tem quem deteste. Tem quem não faça ideia se essa ideia é realmente boa. Se você tem essa curiosidade também e quer saber se escutar música pode te ajudar a ser mais produtivo, acompanhe que a gente ajudará a achar essas respostas.

Nesse post, você encontra as seguintes seções:

Ouvir música para estudar ajuda ou atrapalha?

Quais os benefícios de estudar ouvindo música?

Quais os tipos de música para ouvir enquanto estuda?

Tudo depende do foco!

Ouvir música para estudar ajuda ou atrapalha?

Depende. 

É absolutamente impossível precisar uma resposta de maneira geral com tantos perfis diferentes de pessoas que precisam estudar para passar em uma prova. 

Existem aquelas pessoas que simplesmente não conseguem se concentrar com qualquer que seja o barulho que chega aos seus ouvidos. Para esse tipo de gente, não tem conversa: música para ouvir enquanto estuda, nem pensar!

Para essas pessoas então não tem segredo: é preciso se isolar em um lugar silencioso. Existem até algumas maneiras de se evitar o barulho, se o seu local de estudo não possibilita isso. 

É preciso de um certo investimento, mas alguns fones de ouvido conseguem fazer um isolamento completo, te colocando em silêncio absoluto. 

Mas, se esse não é o seu caso, a pergunta que fica é: estudar ouvindo música é ou não produtivo. 

Essas resposta só é possível ser dada individualmente. Afinal, há aquelas pessoas que não se importam com a música e tem sua produtividade realmente melhorada. 

Porém, outras, ainda se sentem inseguras e não sabem se, ao usarem um fone de ouvido com suas canções favoritas, haverá concentração ou não. 

E ainda assim, não é possível cravar se a música atrapalha ou ajuda. Para tentar resolver esse enigma, é preciso se passar pelas vantagens em se ouvir música enquanto estuda.  

Quais os benefícios de estudar ouvindo música?

Eles existem. Por mais que algumas pessoas simplesmente não conseguem tolerar escutar qualquer barulho na hora do estudo. 

Por isso, é sempre importante lembrar que essas vantagens podem variar sempre de acordo com cada pessoa.

Reduz estresse

Estudar, infelizmente, não é um parque de diversões. Existe muita pressão por resultado e desempenho. 

A música é comprovadamente um estimulante de bem-estar. E não poderia ser diferente quando você estuda. 

Por isso, pessoas que estão desgastadas podem usar suas músicas favoritas para desestressar. E funciona! 

Ajuda na concentração

Se você mora com mais gente na sua casa, sabe que é impossível deter os barulhos que elas podem fazer ao longo do dia. 

Esse tipo de barulho, mais desenfreado e sem ritmo, atrapalham mais a concentração. A música, por sua vez, possui harmonia de forma, te protege dos sons do dia a dia, facilitando a concentração. 

Melhora a memória

Dependendo da música que você escuta, como as músicas orquestradas, é possível fazer com que um lado do seu cérebro seja ativado e ajude a guardar melhor as informações que você estuda. 

Quem precisa estudar raciocínios lógicos e matemáticos, por exemplo, tem muita dificuldade de combinar os dois lados do cérebro. Com a música, eles consegue “dialogar” melhor. 

Sem falar ainda, que algumas paródias são ótimas para se fazer gravar melhor alguma informação. 

Tente apenas usá-las como parte integrante de seus estudos para que você memorize de fato uma informação. Evite decorar elas, porque, decoreba, não é um bom caminho para seus estudos!

Música deixa mais criativo!

Estudar ouvindo música é uma ótima maneira de estimular a criatividade. Quem nunca passou por um bloqueio na hora de resolver atividades?

Basta colocar músicas mais animadas para fazer com que a criatividade flua melhor. Será ideal para aqueles momentos em que você está preso em uma atividade ou disciplina.

Quais os tipos de música para ouvir enquanto estuda?

Mas, como você pôde ter percebido, algumas músicas conseguem ajudar mais na concentração do que outras. 

Você pode escutar as músicas que te deixam mais confortável, desde que, claro, elas não atrapalhem o seu foco. 

Porém, algumas fazem com que sua concentração seja mais elevada, ainda que as músicas não sejam as suas favoritas. Veja quais são.

Músicas clássicas e sem voz

As músicas mais comuns na hora de se escolher uma para estudar são as orquestradas, as chamadas clássicas. 

Elas são, de fato, as mais escutadas quando se diz respeito a estudar ouvindo músicas. Seja pela calma que elas transmitem ou mesmo pelo fato de não haver letra. 

O fato de não haver um cantor nesse tipo de música, ajuda o cérebro a focar apenas no estudo, e não no que a pessoa canta. 

Experimente sons da natureza

Se você quer escutar música para evitar o caos de barulho ao seu redor, pode tentar uma alternativa bem simpática: o de sons da natureza. 

Chuva, cachoeira, pássaros cantando, mar… são barulhos que geralmente trazem mais calma e permitem uma concentração maior. 

Ouça aquilo que você já conhece

Agora, se você não se importa de maneira alguma com o que você escuta na hora de estudar e não tem restrições de ritmo, língua ou calma, pode tentar escutar o que bem entender, desde que observe com clareza se a música não está te atrapalhando.

Contudo, evite escutar músicas que você não conhece, principalmente se essas músicas possuem letra. Isso porque seu cérebro tende a se concentrar mais no que é novo e isso pode competir com o que você aprende.

Por isso, escute apenas músicas que não sejam novidade para você. Deixe para o descanso descobrir um som novo ou uma indicação de amigos.

Tudo depende do foco!

Não importa o que você gosta de ouvir, qual que seja o seu gosto musical ou preferências de banda. 

Na hora de estudar, a música precisa ser uma ferramenta de concentração! E não existe fórmula mágica para cravar aquilo que é melhor para cada pessoa. 

Aliás, a música é só mais uma ferramenta para ajudar a ter foco. Existem outros diversos meios de se concentrar na hora de estudar e você pode se ajustar a cada um deles.

O que vale, é encontrar a melhor forma para se preparar para a prova que você quer passar. Se estudar ouvindo música é uma boa para você, tudo bem! Siga em frente. Crie uma playlist só para isso. 

Aliás, você pode encontrar playlists prontas no Spotify, por exemplo, que são feitas por outras pessoas que também usam dessa técnica para estudar. 

Agora, se você é, definitivamente, uma pessoa que não gosta de estudar ouvindo música, tudo bem. 


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!

Como Fazer um Fichamento: 4 Passos Práticos

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    15/09/2020 . min de leitura
Como fazer um fichamento

Estudar para qualquer prova exige técnica. É verdade que muita gente sabe como lidar com a frequência de estudos de maneira particular, que atenda as características de rotina e de vida de cada um. 

Mas, existem aquelas práticas que são comuns. A revisão, por exemplo. Quem nunca terminou uma matéria e a revisou depois? 

E outra prática muito popular é o fichamento. Mas, nem sempre ele é bem recebido por quem estuda. Muitos acreditam ser perda de tempo ou não sabem como fazê-lo. 

Que tal algumas dicas para quebrar esses tabus e aprender como fazer um fichamento que seja realmente eficiente para seus estudos? É o que você terá agora! 

Nesse post, você encontra as seguintes seções:

O que é um fichamento?

Quais são os tipos de fichamento?

Quais as vantagens de se fazer fichamento?

Como fazer um fichamento em 4 passos simples e prático?

  1. Leia e grife!
  2. Separe por disciplinas
  3. Tenha um padrão para manter a organização
  4. Opte por conteúdos simples, mas completos

O fichamento é o método de estudo mais eficiente?

O que é um fichamento?

Fichamento te lembra o que? Ficha, é claro! 

Parece óbvio e é mesmo, já que essa prática é o método em se realizar resumos por meio de fichas, de forma a organizar todo o material que você estuda. Nele, há marcações de autor, livro ou capítulo em que você retirou a informação, como a própria página onde você a encontrou. 

O fichamento de livros, por exemplo, é muito usado no universo acadêmico. Mas isso não é uma prática exclusiva aos universitários.

Na verdade, quem estuda para concursos ou até mesmo para Enem pode realizá-lo para sintetizar materiais extensos de teor, digamos, mais conceitual. 

O que não significa que você não pode fazer fichamento para materiais mais simples, como capítulos ou artigos científicos. Se você tiver um bom método, você colherá frutos de toda maneira. 

Quais são os tipos de fichamento?

Antes de fazer um fichamento, é importante você saber quais são os tipos que existem, certo? Então, repasse, rapidamente, sobre os principais jeitos de se fazer um.

Citação

Esse tipo de fichamento é quando os tópicos que você ficha são frases exatas de um texto. Ele é muito usado em materiais acadêmicos, mas pode servir perfeitamente para quem quer prestar um concurso se um autor e suas ideias forem cobrados na prova. 

Atente-se para sempre citar o texto exato, mas que não seja muito longo. As ideias precisam ser condensadas. Se uma citação for muito longa, talvez o jeito de fichá-la seja outro…

Textual ou resumo

…Talvez este!

Esse é o modelo mais comum de fichamento e o favorito de quem estuda por conta própria. Ele deve ser feito com as suas próprias palavras sobre determinado assunto.

Ainda que você possa usar citações, elabore um entendimento seu sobre a fala, com sua opinião e, se possível, conectando ideias sobre o mesmo assunto. 

Bibliográfico

Esse tipo de fichamento pode ser também mais pessoal, mas desse modelo, é importante indicar a página onde você retirou determinada ideia. 

Inclusive, pode orientar os demais, já que indicar a página de onde você extraiu determinado assunto ajuda muito na hora de estudar. 

Quais as vantagens de se fazer fichamento?

Como fazer um fichamento sem antes saber o que você sai ganhando com isso? Bom, talvez você não tenha pegado nas entrelinhas até aqui, mas tudo bem. Seremos mais diretos. 

Você otimiza os estudos

Ao estudar conteúdos extensos, como um livro, você armazena muita informação. Para eventuais resumos, você utiliza o fichamento para ser mais efetivo ao buscar uma informação. 

Assim, você ganha tempo ao consultar o material e pode utilizar o tempo ganho para estudar outras matérias. 

É um ótimo método de memorização

Memorizar é uma parte importante de toda jornada de estudo. E o fichamento é um ótimo método para você fazer isso. 

Ao organizar o que você estuda por meio do fichamento, seu cérebro consegue fazer esse processo internamente. Daí, quando você estiver estudando, ele consegue associar novas informações com aquelas que você fichou. 

Você ganha em referências

Muitos livros, muitos autores. Certo?

Então, com o fichamento, você pode comparar cada ideia, cada conceito dos mais diferentes autores de um modo otimizado. 

Isso é ótimo para criar um entendimento mais amplo sobre um determinado assunto, podendo entender as principais diferenças entre o modo como cada autor fala sobre esse tema.

Facilita a revisão

Como fazer um fichamento, por si só, já é um processo que pode ser entendido como uma revisão, revisar já fica mais fácil. 

Isso significa dizer que quando for revisar o material, o fichamento será uma fonte organizada e mais prática de repassar os pontos estudados, o que deixará sua rotina mais prática e eficiente. 

Como fazer um fichamento em 4 passos simples e prático?

É hora de colocar a mão na massa e saber como fazer um fichamento. E nada de complexo, até porque, aqui a ordem é simplicidade e praticidade. 

1. Leia e grife!

Ao realizar uma leitura, ainda que breve e dinâmica para se situar sobre o que você está prestes a estudar. Você pode começar a juntar informações e citações, anotando esses dados para serem fichados.  

Ao ler, grife o que você perceber que vale a pena entrar no fichamento. Não se iniba ao fazer o grifo ou outras anotações no livro. O importante é que você consiga entender e que te ajude a organizar depois. 

2. Separe por disciplinas 

Usar um só caderno ou arquivo de computador para fazer o fichamento parece ser mais fácil, né? 

Na verdade, um fichamento organizado requer um material próprio para cada disciplina, dessa maneira, fica mais fácil de manusear o material e agiliza o seu estudo no dia a dia. 

Se você é fã de fichário, parabéns, porque esse material é o mais adequado para fazer um fichamento, já que a possibilidade de usar folhas soltas pode também ajudar a usar o material. 

3. Tenha um padrão para manter a organização

O fichamento é uma técnica usada por muitas pessoas, desde aquelas que pretendem fazer seu TCC na universidade até mesmo para quem quer passar em um concurso. 

Achar um padrão que atenda a esses dois grupos de estudantes – para não ampliar ainda mais a discussão – é preciso apelar para ABNT (Associação Brasileira de Normas e Técnicas).

Para os universitários, que realizam um fichamento como atividade acadêmica, não há como fugir: é ela quem determina esse padrão de como fazer um fichamento.

Agora, para quem quer passar em concurso e a única pessoa que ela precisa, digamos, prestar contas, a ABNT não é lá uma obrigação. 

De todo modo, é preciso ter um padrão, um modelo único para você poder fazer o seu fichamento. 

A ABNT pode ser uma mão amiga para ajudar a encontrar o seu jeito de fazer as suas fichas. O importante é que você tenha um padrão entre elas. Isso ajuda a organizar e ser mais efetivo nos estudos.  

Uma estrutura que você pode seguir de maneira simples, mas bem eficaz, é ter um cabeçalho, um assunto, referência – com autoria, título, local de publicação, editora e ano – e o conteúdo fichado em si. 

Não se iniba em personalizar seu material da maneira que você achar mais prático para seus estudos. Se achar que cabe uma cor que diferencia cada matéria ou assunto, vá em frente! 

4. Opte por conteúdos simples, mas completos

Deixe a complexidade para a fonte de seu fichamento. Ou seja, na hora de escrever, faça textos simples. 

Bons exemplos dessa simplicidade são os famosos tópicos, com frases que sintetizam uma ideia. Se você achar que não cabe, faça um parágrafo curto desenvolvendo melhor esse tópico. 

O que você não deve fazer é transcrever o trecho do livro, a não ser que a ideia seja ter uma citação do autor. Se não for o caso, desenvolva o assunto com suas próprias palavras, com o que você entender.

Se for possível, use palavras-chaves, com grifos para elas. Você conseguirá memorizar melhor a informação dessa maneira. 

O fichamento é o método de estudo mais eficiente?

Depois de toda essa leitura, você pode fazer essa pergunta. Mas, respondê-la de forma objetiva é impossível. 

Cada pessoa que estuda tem o seu próprio método. Então, dizer que o fichamento é mais eficiente é dar a receita de um bolo que não existe. 

O que se pode dizer é que o fichamento é uma forma muito eficiente de estudo, que facilita a vida do estudante ou da pessoa que quer passar em um concurso. 

Agora, se você quer ter uma rotina de estudo com os métodos mais eficientes para estudar, é preciso ampliar a discussão para outras formas de aprendizagem.

Elas, aliás, podem ser aplicadas para cada pessoa de forma diferente e, assim, cada um encontrará o seu próprio jeito de estudar. 

Por isso, agora que você sabe como fazer um fichamento, veja quais são os melhores métodos de estudo, com técnicas e ferramentas. 

Lendo esse texto, você pode aprimorar ainda mais a sua jornada de estudo! 


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!

Quantas horas estudar por dia para passar em um concurso?

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    08/09/2020 . min de leitura
Quantas horas estudar por dia

Você tomou a decisão de sua vida: estudar para concurso

Essa é realmente uma escolha importante, afinal, sua vida mudará a partir do momento em que você começa a se dedicar para isso. E mudará também depois, quando conquistar a vaga desejada. 

Você tem ciência da importância dessa escolha. E por isso mesmo, provavelmente já se perguntou: quantas horas estudar por dia?

Se você pensou que seria difícil achar essa resposta, você acertou. Mas, não se preocupe, te ajudaremos com isso!

Nesse post, você encontra as seguintes seções:

Reconheça: essa é a pergunta de 1 milhão de reais

Antes de tudo: respeite o seu cérebro!

Conheça a fundo a prova que pretende fazer

Entendendo e adequando minha rotina aos estudos

Bônus: 2 dicas para aumentar a produtividade nos estudos

Reconheça: essa é a pergunta de 1 milhão de reais. 

Não adianta sair por aí procurando a resposta para esse mistério achando que você encontrará facilmente. Em nenhum lugar você descobrirá de forma exata sem antes analisar diversos fatores que dependem exclusivamente de você. 

E mais, a sua dedicação para outras tarefas também influenciará a resposta dessa pergunta. Como é a sua rotina? O que mais de importante você precisa fazer ao longo do dia além de estudar?

Por isso, antes de saber quantas horas por dia você deve estudar, é preciso refletir sobre diversas questões. E para isso, ajudaremos nessa reflexão e indicaremos algumas dicas para fazer um plano de estudo perfeito. Fique por aqui!

Antes de tudo: respeite o seu cérebro!

Não tem segredo para saber que isso é de fato um desafio: o nosso cérebro tem limites e cada pessoa tem o seu. 

Achar que você pode passar horas e horas estudando só porque você tem dedicação total para os isso é um erro. O seu cérebro invariavelmente se sentirá cansado e isso atrapalha em todo seu estudo. 

Isso significa dizer que o excesso de estudo pode mais atrapalhar do que ajudar. Absorver muitas informações ao longo do dia acarreta em um desgaste que impossibilita que novas informações sejam guardadas. 

Além disso, há uma pressão mental de que o estudo é o caminho para a resolução de todos os seus problemas, jogando mais uma responsabilidade ao cérebro. E isso também desgasta.

Por isso, nada de achar que seu cérebro é uma máquina incansável de estudos. Reserve tempo para descansos, pausas entre uma matéria e outra e durma bem. Afinal, é nessa hora que realmente a mente para de se esforçar, mas sem deixar de garantir que as informações do dia sejam armazenadas. 

Nessas pausas, nada de ficar lendo ou assistindo a um conteúdo de estudo. Pausa significa dar um tempo nos estudos de verdade!

Faça outras atividades, como conversar com alguém, checar suas redes sociais…  O que importa é relaxar um pouco e deixar a mente “descansar”. 

Mas ainda não chegamos lá na tal resposta de 1 milhão de reais: quantas horas por dia devo estudar?

Você já percebeu que essa resposta é complexa. O cérebro é a parte mais importante do estudo, mas não é o único fator determinante para descobrir isso. 

Conheça a fundo a prova que pretende fazer

Não há como descobrir quantas horas estudar por dia se você não conhecer a prova para a qual você estudará. Ou seja: quais matérias estudar, ponto por ponto. 

Para isso, você precisa estudar bem o edital do concurso. A partir dele, você saberá todos os detalhes para, então, elaborar a sua rotina de estudos

Existem provas que realmente exigem muita dedicação por cobrar matérias complexas, bem como aquelas que são verdadeiramente concorridas, o que faz com que a dedicação tenha que ser maior. 

Um exemplo que ilustra bem esses dois cenários é a prova do CACD. O exame para ingressar na carreira de diplomata é um dos mais difíceis do Brasil e, por isso mesmo, exige uma dedicação maior. O que significa, consequentemente, mais horas de estudo por dia. 

Mas, não ache que provas menos complexas e concorridas devem ser menosprezadas, porém a flexibilidade pode existir. De todo modo, para você conhecer bem a prova faça uma pesquisa por outros exames aplicados pela banca organizadora do concurso pretendido. 

Isso fará com que você saiba qual é o nível de complexidade das questões e outros detalhes que podem exigir mais de sua dedicação nos estudos ao longo do dia. 

Converse também com outras pessoas que já estão nessa rotina de estudos ou que já realizaram uma prova desse tipo. Esse contato será primoroso para você entender como lidar com o dia a dia de estudo. 

Entendendo e adequando minha rotina aos estudos

Depois de tudo isso, você já consegue estabelecer uma ideia de como será a sua rotina. Mas, ainda assim, não acabou. 

Para entender quantas horas estudar por dia para passar em um concurso é preciso levar em conta sua rotina fora o aprendizado. 

Muita gente estuda em casa, sozinho. Outras pessoas preferem estudar em grupo, fazem cursinhos e possuem mais recursos para o estudo. Sem falar daqueles que não podem disponibilizar todo o dia para se dedicar. Cada caso necessita de uma análise própria. 

É fato que, seja lá qual for o seu caso, será necessário abrir mão de algo para estudar. Por isso, é importante priorizar aquelas atividades realmente essenciais e repensar as outras. 

Ainda assim, não deixe de ter momentos de lazer, aproveitar a presença de pessoas com as quais você mora ou ter aquela hora só sua. 

Entendendo todos esses “pormenores”, será mais fácil flexibilizar sua rotina para adequá-la aos estudos.

Nesse sentido, outras dicas são preciosas e você verá algumas agora.

Converse com as pessoas que moram com você

Se você mora com os pais ou divide apartamento com os amigos, entre em um entendimento com todos para que eles saibam de sua jornada de estudo. 

Isso facilita o seu desempenho para que você não interrompa seus estudos em momentos inoportunos. Chegue a um acordo sobre horários para realizar as atividades caseiras de maneira que seja vantajoso a todos.

Se você tem aqueles amigos que adoram encontros, avise que você precisará “sumir” por um tempo, ser menos presente, e que aquela ligação no meio do dia muitas vezes não poderá ser atendida porque você está estudando.

Contudo, não seja radical: reserve dias para encontrar os amigos. Só não faça isso de maneira constante e priorize seus estudos.

Evite distrações

Não ache que apenas outras pessoas são capazes de te dispersar dos estudos. Você pode sabotar seu desempenho com distrações como internet, jogos, leituras que fujam do aprendizado… 

São vários os motivos e você precisa estar atento a isso para que as horas estudadas sejam melhor aproveitadas e sua produtividade esteja em um bom nível, para que, em algum momento, você não precise redesenhar sua rotina – e aumentar as horas para estudar ao longo do dia.

Por isso, mantenha-se longe do celular na hora de estudar. Use a internet apenas para consultas relacionadas àquilo que está estudando.

Dessa forma, além das outras pessoas respeitarem melhor seu momento, você poderá focar mais naquilo que realmente importa para passar em um concurso. 

Descanse

Essa não será a primeira vez que você lerá que o descanso também é importante. É bom reforçar, aliás. 

Esse descanso é um bom sono à noite, é realizar pausas entre uma matéria ou outra. E não ache que o rendimento será melhor apenas com horas e horas de estudo ininterrupto.

Quanto mais horas você estudar sem pausas, mais cansado você estará. E a matéria estudada com cansaço pode não ser bem assimilada e você poderá ter que revisá-la toda, afetando o seu cronograma e a sua produtividade.

Bônus: 2 dicas para aumentar a produtividade nos estudos

Tudo o que você leu até agora reflete sobre como você pode manter um bom desempenho nos estudos para que você adeque sua rotina e saiba, afinal, quantas horas estudar por dia para passar em um concurso. 

Existem outras dicas que podem, não só manter seu desempenho, mas aumentá-lo de maneira eficiente e sem sacrificar seus momentos de descanso. Ou seja, manter alta a sua produtividade. 

Encontre o melhor horário para estudar

Muita gente pergunta qual o melhor horário para estudar. E essa questão também não é fácil de ser respondida, mas é possível descobrir analisando alguns critérios pessoais. 

A primeira dela é saber quando você é realmente mais produtivo. Muitos rendem melhor pela manhã, outros à tarde. E ainda existem aqueles que se dão bem com a noite. 

Outro fator a ser observado é o próprio funcionamento do corpo. Afinal, seu rendimento é influenciado por questões biológicas. E isso varia de pessoa para pessoa. 

Há também a rotina com outros compromissos, como trabalho, aulas, tarefas de casa. Todos podem influenciar no seu rendimento nos estudos e devem ser levados em consideração.  

Seja qual for o horário ideal para você, elabore uma rotina adequada a ela, desde um café da manhã balanceado a atividades físicas. 

Encontrar esse horário perfeito para estudar é totalmente estratégico para seus estudos, por isso, analise com calma.

Para ajudar a encontrar o seu melhor horário para estudar, separamos o conteúdo do link que auxiliará nesta tarefa. Não deixe de conferir.  

Tenha método

Por fim, não adianta saber quantas horas estudar por dia se você não tiver um (ou mais) métodos de estudo. 

Digamos que se trata de um conjunto de técnicas que permitirão você estudar com mais eficiência. 

Desde realizar resumos e mapas mentais, até mesmo fazer provas, testes práticos ou aplicar a técnica Pomodoro para gerenciar seu tempo. 

Esses métodos podem se valer de ferramentas que ajudam a gerenciar o aprendizado. Plataformas como Trello ou Asana, por exemplo, ajudam a organizar materiais e criar um cronograma de estudo que deixará sua vida mais organizada e fácil.

Por isso, se você quer saber quantas horas estudar por dia, não deixe de ler essas 7 dicas de métodos e ferramentas. Com certeza elas te ajudarão em sua jornada de aprendizado.

E aí, o que achou das nossas dicas? Já tem uma ideia de quantas horas de estudo você deve estudar por dia para atingir o seu objetivo de aprovação? Conte pra gente nos comentários!

Ah, e não deixe de compartilhar esse conteúdo com quem precisa daquela mãozinha para aumentar a produtividade nos estudos! 😉


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!

Motivação para estudar: 11 métodos que funcionam de verdade!

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    13/08/2020 . min de leitura
Motivação para estudar

Livro aberto. Aula iniciada. Por mais que você se dedique e preste atenção no que estuda, falta algo. 

Não há empolgação, parece que você estuda no modo automático. Daí, vem o questionamento: será que você realmente gosta do que estuda? O concurso para qual você estuda é realmente o objetivo de sua vida ou o que esperava para ela?

A motivação para estudar é parte fundamental de algo muito maior e que determina toda sua vida. Mas não é fácil de se alcançar. E isso pode arruinar sua aprendizagem

São muitos fatores que inibem a motivação para os estudos e você verá, adiante, o que fazer para driblá-los. Por isso, se te falta aquele “fogo” para aprender e conseguir aquela vaga em concurso ou em uma faculdade, siga a leitura.

Nesse post, você encontra as seguintes seções:

Saiba a importância da motivação

11 formas de aumentar a motivação para estudar

  1. Evite a procrastinação
  2. Faça uma rotina bem planejada
  3. Divida seus estudos em partes menores
  4. Tenha metas
  5. Tenha recompensas 
  6. Faça pausas e relaxe
  7. Anote o que você aprendeu no dia
  8. Estude em lugares adequados
  9. Saiba que existem dificuldades
  10. Pratique exercícios físicos
  11. Use apps para estudar melhor

Saiba a importância da motivação

Imagine a situação: cursar uma universidade em que não se identifica com o curso. Parece surreal, mas é a realidade de muita gente no ensino superior, que estão por lá apenas por influência dos familiares, por exemplo.

Obviamente nada garante que esse estudante se formará e se torne um bom profissional. Nesse contexto, falta a motivação para a pessoa justamente por ela não se identificar com o que faz e, pior ainda, algo que não é da escolha dela. 

São inúmeros os motivos que podem fazer com que o estudante ou qualquer outra pessoa estude sem motivação, fazendo com que ela seja importante por justamente inspirar a seguir em frente naquilo em que você se dedica. 

Ainda, a motivação é aquilo que te prende ao que se dedica. Sabe aquele vídeo fofo de pet nas redes sociais? Ela é muito mais interessante do que os estudos quando você não está motivado. O que impacta, diretamente a sua produtividade.

Diante desses motivos, chegou a hora de sabe como ter motivação para estudar. E daremos 11 dicas para isso!

11 formas de aumentar a motivação para estudar

Bom, se você se vê nessa situação de estar desmotivado para os estudos, segue uma lista bem completa com 11 formas para manter a empolgação e a sua produtividade. 

1. Evite a procrastinação

É difícil estipular o que ocasiona a procrastinação. Muitas vezes, é por você achar o conteúdo que estuda chato ou complexo demais para o seu nível de compreensão.

De todo modo, a melhor maneira de evitá-la é se afastar de certos gatilhos, como a internet, celular e televisão.

Mantendo-se distante deles, você compreenderá que é preciso seguir os estudos. Não é uma tarefa fácil, mas um exercício de autocontrole fundamental que será exigido não só para fugir da procrastinação, mas em muitas outras tarefas que são necessárias ao longo dos estudos.  

2. Faça uma rotina bem planejada

A organização é um ponto de partida importante para uma jornada de estudo eficiente. Isso quer dizer que uma rotina bem feita é fundamental sempre, é com ela que você poderá acompanhar o seu ritmo de aprendizado. 

Além disso, é com ela também que a motivação vem. Afinal, você se programa para realizar atividades, descansos sempre com um propósito muito bem definido. 

Para começar a ter uma rotina bem planejada, é preciso saber o que você precisa estudar, criar um cronograma e até mesmo alinhar outras atividades além do aprendizado. 

Pense em um cronograma que não sobrecarregue um dia mais que outros, intercalando matérias diferentes no mesmo dia, sempre fazendo pausas entre elas.

3. Divida seus estudos em partes menores

Na rotina, você deverá intercalar matérias diferentes para manter um ritmo bom nos estudos e também aprender melhor. 

Mas, estudando a mesma matéria, é interessante que você a divida em conteúdos menores. Isso fará com que o aprendizado não seja maçante, evitando a impressão de que você não está progredindo.

Imagine, por exemplo, ter que ler uma mesma apostila com muitas páginas por várias horas seguidas? Melhor dividir em conteúdos menores. Você absorverá melhor a matéria e ainda tornará a sua rotina menos desgastante e o estudo mais fluido. 

4. Tenha metas

E não adianta criar uma rotina se você não determinar muito bem qual é a meta que você quer atingir com ela. 

Diferente do objetivo, que muitas vezes é passar em um concurso ou tirar uma boa nota no Enem, a meta deve ser batida em um espaço de tempo menor, como em uma semana ou mesmo em um dia. 

A meta é aquilo que será a sua motivação pontual e que moverá sua empolgação. Mas claro que não será ela, apenas, a fazer isso. Por isso, continue seguindo as dicas. 

5. Tenha recompensas 

Bateu a meta? Dê uma premiação a si mesmo! 

Essa recompensa deve ser algo que o faça relaxar. Pode ser uma rápida navegada na internet, usar as redes sociais. Um jogo, por que não? Obviamente não pode abusar e sempre manter em mente que você terá que prosseguir sua rotina. 

É uma maneira de se motivar a bater as metas que você estipular em sua rotina e até mesmo melhorar sua produtividade. 

6. Faça pausas e relaxe

Entre uma matéria e outra, faça pausas mais “longas”, mas sem exagerar! 

Além de você ter um descanso fundamental para seguir com seu ritmo ao longo do dia, a pausa pode ser preciosa para se livrar do estresse, por exemplo. 

Ainda assim, essas pausas devem estar em sua rotina e não podem ser maiores que o tempo que você estuda, de maneira a atrapalhar a sua produtividade. 

Por isso, procure algumas técnicas, como a Pomodoro, que consiste em estimular o seu cérebro ao máximo durante uns minutos – geralmente 25 – e realizar pausas de 5 minutos entre cada um desse ciclo de tempo. 

E esses minutos de descanso servirão para relaxar: nada de ficar na frente de um livro ou relendo algo. 

Descontraia-se, tome um café, jogue um jogo… enfim, desde que respeite o tempo, voltando a se esforçar ao máximo nos tempos de dedicação. 

Dessa maneira, você estará ao mesmo tempo relaxando e mantendo a motivação para estudar de modo que sua rotina são seja algo maçante.  

7. Anote o que você aprendeu no dia

Uma forma de se motivar ao longo dos estudos e saber o seu progresso. E nada melhor do que fazer uma lista de assuntos que você aprendeu no dia.

Não precisa ser nada complexo e trabalhoso. Apenas anote e, ao final de uma semana, veja o quanto evoluiu desde o início desse período. 

Será uma forma de acompanhar a sua produtividade, evolução e, assim, continuar estudando. 

8. Estude em lugares adequados

A influência de um ambiente de estudo é maior do que você possa imaginar. Aliás, essa dica está no meio de nossa lista, mas poderia facilmente encabeçá-la. 

Além de ser um ambiente confortável e isolado de trânsito de outras pessoas que possam morar com você, esse lugar deve ser suficientemente adequado para que você passe horas estudando. 

Ainda assim, um local onde você possa evitar que se relaxe demais – para evitar certos “gatilhos” para se distrair ou pegar no sono. De preferência, que só tenha os materiais nas quais usará para estudar. Crie a regra que, enquanto você estiver nele, você estará apenas estudando. 

Decore de sua maneira, de acordo com sua cara e seu jeito, para se tornar um local agradável em todos os sentidos.

Com tudo, você se sentirá bem no lugar e se motivará mais a estudar.

9. Saiba que existem dificuldades

Nenhuma jornada de estudo é fácil. Afinal, você estará disputando vagas com outros candidatos, seja para um concurso ou mesmo para uma universidade. 

Sem falar que a rotina é dura, nem sempre você entenderá as matérias e às vezes será preciso reler ou assistir novamente as aulas.

Ter isso em mente é fundamental para que você seja realista e não espere resultados no estudos que não sejam condizentes com sua realidade. 

Muitas vezes, uma expectativa alta e um rendimento baixo serão o gatilho perfeito para a desmotivação. 

Por outro lado, saber das dificuldades que você enfrentará em sua jornada, significa que você pode criar estratégias para superá-las. 

E para isso, é preciso saber de seus potenciais e acreditar em si. Mas, com dedicação, sempre!

10. Pratique exercícios físicos

Seu corpo e toda a sua saúde agradecerão uma atividade física de vez em quando. Mas, não só eles. 

É normal se concentrar nos estudos e esquecer dos cuidados com a saúde. Por isso, tire um tempo para uma atividade física. De caminhadas a corridas ou mesmo abdominais em casa. O que importa é se manter bem para não comprometer sua saúde. 

Mas, não ache que sua saúde é o único ponto aqui. Com ela em dia, você pode se certificar que não terá outros problemas que possam atrapalhar na hora de estudar. 

Outro ponto a favor da atividade física é que ela também é uma boa forma de se manter motivado. Isso porque, quando você se exercita, você libera endorfina, um hormônio responsável pela sensação de bem-estar. 

Há também um fator que mostra que a atividade física melhora a oxigenação do cérebro, facilitando a memorização das informações daquilo que foi estudado. Portanto: faça exercícios físicos! 

11. Use apps para estudar melhor

Com todas essas dicas que teve até aqui, você pode encontrar aquele gás que faltava para prosseguir com seus estudos. 

Obviamente, cada pessoa poderá ter um fator a mais para não se sentir motivada a estudar, o que seria necessário uma atenção especial para saber como solucionar esse problema. 

E muitas vezes, o que falta para manter a motivação para estudar é uma mão amiga. Nem que seja a eletrônica. 

Por isso, procure por apps que possam te ajudar na hora de estudar e melhorar seu desempenho para manter a motivação. 

Você encontrará aplicativos que ajudarão a se organizar, a se disciplinar, administrar seu tempo. Tudo de maneira facilitada para que você foque apenas no estudo, de maneira mais clara e eficiente.

Bom, mas se você não sabe por onde começar com essas ferramentas, pegue mais essa dica aqui: um texto que te dará 17 sugestões de apps para estudar mais e melhor. Ah! E motivado, claro!

Gostou das dicas de hoje? Existe alguma que você acha que poderia também integrar a nossa lista? Compartilhe com os amigos e não deixe de acompanhar nossos conteúdos aqui no blog do Clipping!


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!

Sono na hora de estudar? 9 dicas práticas que funcionam!

  • Pedro Soares
    Pedro Soares
    05/08/2020 . min de leitura
Pessoa com sono na hora de estudar

Estudar requer muitos esforços. E dentre os mais variados desafios está o famoso sono na hora de estudar. Você pode até dormir de 7 a 9 horas por dia, mas não adianta: a sonolência sempre aparece para atrapalhar sua rotina. 

Mas, afinal, por que isso acontece, mesmo quando na teoria se está completamente descansado?

A verdade é que os motivos para que isso ocorra são os mais diversos e é preciso, antes de mais nada, saber pontualmente o que provoca o sono, para então combatê-lo.

Até porque, o sono pode derrubar sua produtividade, fazendo com que você revise mais do que o necessário só porque deu uma “pescada” durante uma videoaula ou deu uma piscada maior durante a leitura de uma apostila.

Será que só uma xícara de café resolve? Ou é preciso aumentar ainda mais as horas de sono à noite?

Esse diagnóstico é complexo, por isso, continue a leitura e veja como driblar o sono na hora de estudar.  

E se sentir sono ao longo da leitura, sem pressa. Faça uma pausa para uma água ou um café e volte em seguida. 😉

Nesse post, você encontra as seguintes seções:

Veja 9 formas de driblar o sono na hora de estudar

  1. Durma bem
  2. Beba água!
  3. Determine pausas durante o estudo
  4. Tenha um ambiente de estudo adequado
  5. Estude matérias diferentes ao longo do dia
  6. Permita-se a uma cochilada após o almoço
  7. Alimente-se bem
  8. Considere ir ao médico
  9. Descubra qual o melhor horário para você estudar

Veja 9 formas de driblar o sono na hora de estudar

1. Durma bem

É claro que a primeira dica para se conseguir evitar o sono na hora de estudar é dormir adequadamente. 

Muitos especialistas indicam que 6 horas bastam. Outros, a partir de 8h. A verdade é que você precisa dormir bem para poder render ao longo das horas de estudo e para isso, é preciso realmente desligar na cama.

Livre-se de eletrônicos como computador ou celular. Talvez um livro para motivar o sono sem usar luz artificial que esses aparelhos emitem. 

O sono é importante não apenas para o seu bem-estar, mas também no aprendizado, já que é nesse momento que o cérebro memoriza melhor as informações que ele absorveu ao longo do dia. 

Por isso, durma para não ter sono no dia e para aprender melhor também.

2. Beba água

“Não seria melhor café?”

O cafezinho ajuda, mas deixemos ele para depois. A dica é para reforçar a importância da água para seus estudos. 

É um pouco óbvio falar de quão fundamental ela é em nossas vidas, mas é sempre bom lembrar que um corpo sadio é garantia que tudo em você funciona bem. 

E a água é primordial para os processos nessa máquina chamada corpo. Basta lembrar que ele é 70% formado dela. 

Sendo mais objetivo, a água ajuda na oxigenação, o que permite uma comunicação melhor entre os neurônios em seu cérebro e, por isso mesmo, a memorização é melhor. 

Bom, e no que ele ajuda a evitar no sono? A fadiga, muitas vezes, é um indício que você pode estar desidratado. Não que a água será a sua fonte de energia para o dia todo, apenas. Mas ela ajuda muito a evitar esse cansaço profundo. 

Não precisa trocar o café – aliás, ele bem dosado ajuda, claro! – mas não troque a água por ele. Tenha sempre um copo por perto e não espere sentir sede para dar uma boa golada. 

3. Determine pausas durante o estudo

Não se engane achando que fazer pausas torna sua rotina menos produtiva. Pelo contrário. Entre uma matéria e outra sempre tente parar, seja para fazer alongamentos, para tomar um café, regar as plantas…

Independentemente do que for fazer, use essas pausas para realmente focar em outra atividade que não seja os estudos. 

Para não abusar desse tempo, use algumas técnicas como o Pomodoro, determinando os períodos de descanso e o de estudar. 

4. Tenha um ambiente de estudo adequado

Todo mundo que estuda em casa deve ter um lugar apropriado para isso. Um canto em que reina a tranquilidade, onde está tudo o que você precisa para aprender e que outras pessoas respeitem para você ter o máximo de sossego e para não perder a concentração. 

Além da tranquilidade, há outros requisitos a serem respeitados. Como por exemplo, a iluminação. O local de estudos deve ser claro. Além de permitir que a vista se canse menos, é possível ainda se espantar o sono com ela. O cérebro entende a luz clara como dia, por isso, se manterá ativo por mais tempo. 

Outro fator é o conforto. Obviamente, o local de estudo deve ser um local em que você se mantenha por mais tempo de maneira agradável e que não o desgaste. Por outro lado, muito conforto pode ser o gatilho para o corpo se relaxar e querer “desligar” um pouco. 

Permaneça sentado, evite baixar a cabeça até a mesa onde estuda. Deitar em sofá ou na cama, nem pensar! 

5. Estude matérias diferentes ao longo do dia

Estudar a mesma matéria em um único dia não é recomendado por vários motivos. E um deles certamente é porque, uma hora ou outra, seu cérebro começará a se “entediar” com ela. 

Tente variar as matérias ao longo do dia, priorizando aquelas mais densas na hora em que você se sente mais alerta e que dificilmente cairá no sono. 

Faça um plano de estudo em que as matérias ao longo do dia sejam as mais diversas, de áreas distintas, para que seu cérebro consiga sempre estar atento ao novo. E também para praticar a interdisciplinaridade, que aumenta ainda mais a eficiência do estudo.  

6. Permita-se a uma cochilada após o almoço

São poucos os sortudos que conseguem voltar à toda após um almoço, por mais leve que ele seja. É natural, afinal, seu organismo está trabalhando mais “pesado” por conta da digestão e, por isso, gastando mais energia. 

Esse tempo de cochilo não pode ser muito longo, claro, mas por mais curto que ele seja, pode ser determinante para voltar aos estudos à tarde mais renovado e disposto a seguir a rotina sem vontade de cair no sono. 

7. Alimente-se bem

Aliás, a alimentação em si é fundamental para sua saúde e isso não pode ser desconsiderado na hora de estudar. 

Cada corpo é habituado a uma rotina alimentar e é importante respeitar o seu para se manter sadio e por muito tempo com energia. A fome, além de deixar você fraco, tirará sua concentração e tornará seu estudo menos produtivo.

O equilíbrio entre uma refeição e outra impedirá que você fique com muita fome ao longo do dia e não deixará que o sono venha por conta de uma comida pesada.  

8. Considere ir ao médico

Se você já tentou de todas as formas espantar o sono na hora de estudar e não conseguiu, talvez o problema seja mais complexo do que imaginava. 

Acontece que muita gente possui o distúrbio do sono, pessoas que mesmo dormindo bem, acordam cansadas e indispostas. Às vezes, é uma consequência da ansiedade, que leva a se ter insônia, por exemplo. 

Nesse caso, o melhor a se fazer é procurar uma ajuda médica. 

9. Descubra qual o melhor horário para você estudar

Dificilmente você encontrará uma cartilha completa que te indicará qual o melhor horário para estudar. Na verdade, quem diz isso é você mesmo.

Porém, isso não é lá tarefa muito fácil, por mais que pareça. O sono na hora de estudar pode ser, inclusive, um indicativo que você não sabe o melhor horário para aprender. 

Por isso, é fundamental que você investigue isso analisando seu desempenho ao longo de um período. É natural, por exemplo, que ao final do dia, seu cansaço bata e o sono apareça, ainda mais se no restante do dia você se dedicou a algo realmente desgastante. 

E, por isso, temos uma dica especial para você que quer encontrar o melhor horário para estudar. O texto do link é uma série de sugestões que você pode realizar em casa para achar o seu ritmo, de acordo com o período do dia. Quem sabe, ainda, isso não espanta o sono na hora de estudar?! Aproveite! 

E aí, já tentou aplicar alguma dessas dicas no seu dia a dia? Conta pra gente um pouco sobre os resultados nos comentários!


  • Pedro Soares
    Pedro Soares

    Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!


Pedro Soares
Pedro Soares

Pedro é estudante de Administração e atua nos times de Marketing e Comercial do Clipping!